quarta-feira, 30 de junho de 2010

A Xavi da vitória espanhola...


La Fúria es roja si, pero no es amarilla! A Espanha venceu Portugal, até com certa facilidade - o que surpreendeu um pouco - e vai enfrentar o Paraguai nas quartas-de-final da Copa do Mundo. Se vencer, disputará uma semi-final de Copa após 60 anos. E a chave da vitória foi o meio-campo espanhol, o melhor de todas as Seleções. Ou será a Xavi da vitória? O que joga de bola este rapaz do Barcelona é brincadeira! Tem a capacidade de prender a bola como poucos, pensa rápido e, quando precisa de um toque diferenciado...uma raspadinha de calcanhar e Villa estava cara a cara com Eduardo para marcar o gol da classificação. Aliás, uma ressalva: como defendeu o goleiro português! Mas, voltando ao time espanhol, outras coisas impressionam. O meio-campo, é praticamente o do Barcelona - Busquetes, Xavi e Iniesta -, só trocando Yaya Touré por Xabi Alonso. A dupla de zaga titular também é catalã - Piqué e Puyol. E, agora, Villa também defenderá o Barça na próxima temporada. Casillas e Xabi Alonso jogam pelo Real Madrid. Onde quero chegar? No entrosamento adquirido com isso pois, ou os jogadores atuam juntos, ou, no mínimo, conhecem a maneira do outro jogar, já que se enfrentam e se estudam no Campeonato Espanhol. E o resultado é o que estamos vendo: um toque de bola envolvente, rápido, muitas vezes de primeira. Com um detalhe: Iniesta e Fernando Torres não estão rendendo tudo o que podem. Contudo, a Fúria chega forte, apesar de não ter apresentado seu melhor futebol ainda.

Um pouco mais: E o Cristiano Ronaldo? Mais uma vez, se escondeu. A grande estrela, o capitão do time, o jogador mais bem pago, mais comentado e badalado parece não ter entrado em campo. Chegou ao ponto de irritar por sua omissão e apatia, inacapaz de dar um pique atrás da bola, voltar para buscar o jogo e chamar para si a responsabilidade. Mas quem acompabnha sua carreira sabe que, no ano em que foi eleito o melhor do mundo, Rooney foi mais importante para o Manchester United que ele. Não que não saiba jogar bola, não é isso. Pelo contrário, Ronaldo tem uma habilidade e arrancada incomuns. Mas, na minha concepção, craque é aquele que joga para o time, marca, corre, tenta e chama a responsabilidade, idependente de acertar ou errar, como o Messi, por exemplo. E isso, Ronaldo fez poucas vezes...

terça-feira, 29 de junho de 2010

Não deixem chegar...


Ontem eu comprovei o que não dá para entender. Como o Ramires é reserva da Seleção Brasileira? Qualquer que seja a desculpa, não convence. Ramires marca tão bem quanto Felipe Melo, ou ainda melhor, já que não é tão violento. Ofensivamente, é covardia comparar: Ramires dá outra movimentação ao meio-campo, seja na saída de bola - com maior velocidade e qualidade - ou na chegada ao ataque - a jogada no gol de Robinho diz tudo... e com um detalhe: o fato de ser um volante que sai para o jogo, não comprometeu em nada a defesa do Brasil. Aliás, mais uma atuação impecável dos defensores brasileiros, principalmente de Lucio. Para o capitão, não tem jogo-treino, amistoso, oitavas de final ou decisão. Sempre joga com a mesma seriedade e competência.

A vitória sobre o Chile foi a cara do Brasil na 'Era Dunga": bola parada forte, contra ataques mortais e o trio - Robinho, Kaká e Luis Fabiano - fazendo a diferença. Mesmo sem encantar, o Brasil é eficiente e competente. E mostrou que pode, sem dúvidas, chegar ao Hexacampeonato. Até porque, o caminho até a final é teoricamente mais fácil: Espanha, Portugal, Argentina e Alemanha estão do outro lado. Passando pela Holanda - que não será simples -, teremos Gana ou Uruguai no caminho. Aí é aquela história: não deixem o Brasil chegar, se não é ruim de segurar...

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Uma final antecipada!


Tá certo que ambos foram 'ajudados' pela arbitragem. O México, eu diria, foi o maior prejudicado, pois era melhor na partida. Se o gol de Lampard fosse validado, a história seria outra, pois a Inglaterra não precisaria se abrir tanto no segundo tempo, já que teria alcançado o empate. Mas, erros à parte, Argentina e Alemanha estão classificadas para as quartas de final, e se enfrentam em uma final antecipada. Sem dúvidas, são as duas Seleções que apresentaram melhor futebol até agora na Copa do Mundo.

A Alemanha começou a encantar logo na estréia. Caiu um pouco de produção nos jogos seguintes - inclusive sendo derrotada pela modesta Sérvia -, mas ontem mostrou que ninguém pode exclui-la da briga pelo tetra. Uma defesa forte (e um bom goleiro, Neuer) - Lahm, Friedrich, Metesacker e Boateng - e, do meio pra frente, muita qualidade. Schweinsteiger e Khedira jogam à frente da defesa. Na esquerda Podolski, na direita Muller. No meio Ozil e, na frente, Klose. E os alemães avançam com o sentimento de ter se vingado, já que foram prejudicados em 1966 (como recordamos no último post) contra a Inglaterra, na decisão vencida pelo English Team.

A Argentina tem um ataque espetacular. Messi, Di Maria, Tevez e Higuain, com a chegada de Maxi Rodriguez. No banco, Aguero, Milito e Veron. É brincadeira? Mas o time de Maradona tem o seu 'calcanhar de Aquiles': a defesa. Um goleiro pouco confiável - Romero -, zagueiros pesados (melhora um pouco se Samuel voltar) - Burdisso e Demichelis - e laterias fracos - Ottamendi e Heinze.

Os ingredientes são muitos. Messi, indiscutivelmente, é o melhor jogador do mundo. Mas, se tivesse de indicar o craque da Copa até o momento, seria Ozil. Portanto, no dia 03 de Julho, às 11:00, o Mundo vai assistir a um grande clássico, que já decidiu duas Copas do Mundo. Em 1986, melhor para a Argentina de um certo camisa 10, Diego Maradona. Em 1990, deu Alemanha. E agora? Será que o campeão de 2010 sai desse jogo?

domingo, 27 de junho de 2010

Revivendo 1966


Inglaterra e Alemanha entram em campo, daqui a pouco, para escrever mais uma página de um dos maiores clássicos da história do futebol mundial. Dentre outros fatos marcantes, o choro de Paul Gascoigne (conhecido pelo mau comportamento fora de campo) em 1990, ao receber o cartão amarelo e não poder enfrentar a Argentina na decisão, que não aconteceu, pois os alemães venceram. A soberba britânica em 1970, poupando o craque Bobby Charlton nas quartas de final contra a Alemanha, mas sendo elimininada. Ou a partida de despedida do Estádio Wembley em 2000, que passaria por reformas, com vitória alemã por 1x0.

Mas, sem dúvidas, o capítulo mais marcante da história dos confrontos entre os times, aconteceu em 1966. Inglaterra e Alemanha dicidiram a Copa do Mundo daquele ano. Jogando em casa, os ingleses chegaram à decisão de forma invicta (quatro vitórias e um empate) e recheada de craques, como o goleiro Gordon Banks, o zagueiro Bobby Moore, o meia Bobby Charlton e o atacante Hurst, que seria pivô da maior polêmica de todos os mundiais. A Alemanha (Ocidental, na época) saiu na frente do placar, com Haller. Os britânicos empataram, pouco depois, com Hurst. E, aos 33 minutos do segundo tempo, Peters virou para os donos da casa. Mas, quando os mais de 95 mil expectadores comemoravam o título, Weber empatou no último minuto. O jogo foi para a prorrogação.

E foi, aos 11 minutos do tempo extra, que ocorreu um dos lances mais discutidos de todas as Copas: Hurst dominou bola levantada na área e chutou. A bola bateu no travessão, caiu sobre a linha e voltou. Para desespero dos alemães, o árbitro suíço Gottfried Dienst confirmou o gol inexistente. No último minuto do jogo, em rápido contra ataque, Hurst marcou o quarto gol inglês, mesmo com a invasão de três torcedores ao campo. Era o primeiro e único título da Inglaterra em Copas do Mundo.

E hoje, o experiente English Team - com Gerrard, Lampard, Terry, Rooney - terá pela frente a jovem equipe alemã, que mantém a tradição de uma defesa forte e conta com um ataque que, talvez, seja um dos mais habilidosos e rápidos da história da Alemanha. Promessa de grande jogo e mais uma bela página na história do futebol.

sábado, 26 de junho de 2010

Uruguai x Gana...quem diria?


E o primeiro confronto de quartas de final será...Uruguai e Gana. Se alguém tivesse escrito algo do tipo há alguns meses atrás, seria difícil acreditar. Mas é verdade. O confronto tem hora e data marcada, sexta-feira, às 15:30. O jogo será em Johanesburgo, palco onde aconteceu a maior zebra da Copa até aqui: a eliminação da Itália frente à Eslovaquia. Pois é...zebra é palavra-chave na Copa do Mundo da Africa do Sul. Mas ela não é alvinegra, e sim, colorida. A Celeste renasce e volta a disputar as quartas de final após 40 anos. E não foi por acaso, muito menos fácil. A Coréia do Sul foi um adversário dificil, correu os 90 minutos e dificultou muito a vida dos uruguaios. No entanto, o talento de Luis Suarez fez a diferença. Me arrisco a dizer que a camisa pesou um pouco também, vai...não é qualquer jogador que acerta um chute daqueles àquela altura do segundo tempo. É preciso habilidade, sorte e o peso de uma história gloriosa. Pela frente, Gana: o país que honra o continente africano. E representa como ninguém o espírito de luta dos povos africanos. Um time forte, rápido, raçudo e, sobretudo, com alma. Alma de guerreiro. E chega às quartas de final na sua segunda participação em Copas. Merecido e emocionante. Agora...previsão para o confronto? Não dá para fazer nenhuma. Será a tradição do bi-campeão mundial contra a alma e espírito de um time, um povo e uma nação guerreira. Uruguai x Gana, quem diria...

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Bravo, Fúria!


A Espanha precisou de apenas 45 minutos para fazer dois gols, garantir sua vaga (como primeiro do grupo) nas oitavas-de-final e não repetir os vexames de Italia e França, finalistas em 2006 e eliminados na fase de grupos em 2010. Bastou um tempo para David Villa mostrar o por que de o Barcelona desembolsar milhões de euros para ter seu futebol na próxima temporada. Claro, com uma grande contribuição do goleiro chileno Bravo. Outro que mostrou categoria foi Iniesta, com um lindo toque no cantinho, marcando o segundo gol. Vale registrar a expulsão injusta de Estrada, o que certamente prejudicou o desempenho do Chile, que será um adversário complicado para a Seleção Brasileira - ainda sim, em tese, mais fácil do que a Espanha. No segundo tempo, o time sul americano esboçou uma reação, diminuindo o placar, mas o resultado favorecia a ambos os times (já que a Suiça não conseguiu vencer Honduras) e a busca pelo empate deu lugar à cautela, das duas partes, já que um gol do Chile e uma vitória suiça deixariam o time de Vicente del Bosque de fora. No fim das contas, o empate e classificação de chilenos e espanhóis premia o futebol ofensivo e as duas melhores equipes do grupo H. O Chile, que mostrou sua força nas eliminatórias - 10 vitórias em 18 jogos -, terá o Brasil pela frente. E por que não sonhar com a classificação? Já a Espanha, parece ter acordado e chega forte para enfrentar Portugal e brigar pela taça. Desta vez, quando precisou vencer, não amarelou. Bravo, Fúria.

Esse não é o Brasil...


Pra quem esperava um grande jogo, aberto, movimentado e com vários lances de perigo, Brasil e Portugal foi decepcionante. Aliás, que pelada! Quem esperava encontrar a resposta sobre a maior questão lançada após a convocação da Seleção, se o Brasil tem algum substituto à altura para Kaká, encontrou: não tem ninguém! O Brasil foi, e é, um time lento, sem criatividade, padrão de jogo, atacantes à altura (que me perdoe o Luis Fabiano) e sem graça. Muito longe de representar a verdadeira Seleção Brasileira, com jogadores habilidosos, diferenciados, futebol bonito, jogado pra frente, que encantou o mundo e conquistou cinco títulos mundiais. O nosso camisa 5 (da foto acima), aquele rapaz nervosinho, que se estressou com uma pergunta do jornalista Paulo Vinicius Coelho, é o maior exemplo de como o time de Dunga não tem, nem de perto, a essência do futebol brasileiro. Há alguns anos, seria impossível imaginar um cabeça-de-área (ou cabeça-de-bagre?) que só sabe bater e rebater perguntas da imprensa e, sinceramente, não joga absolutamente nada. O futebol que encantava deu lugar ao futebol de resultados. Ao menos, até agora, nada a reclamar em relação a isso: todos os objetivos foram alcançados, inclusive o primeiro lugar do grupo. Mas, para o povo brasileiro, não é o suficiente. É preciso vibração, categoria, magia. A falta desses elementos não impossibilita a conquista do hexacampeonato na África do Sul. Mas não satisfaz a uma Nação acostumada com Pelé, Garrincha, Gerson, Jairzinho, Romario, Ronaldo... não estou torcendo contra, pelo contrário. Apenas, como amante do bom futebol, não admito que o talento do jogador brasileiro fique em segundo plano. Muito menos que o setor mais forte da Seleção Canarinho seja a defesa, com todo o respeito. Esse não é o Brasil...

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Sem vitórias, sem vaga, sem penta...


A atual campeã Itália está eliminada da Copa do Mundo de 2010! E sem vencer nenhum jogo, na última colocação do grupo F, repetindo o fiasco da França em 2002 (campeã em 1998 e eliminada também na fase de grupos, sem ao menos marcar um gol). Na verdade, uma tragédia anunciada, a começar pela convocação, onde Lippi deixou jogadores como Totti de fora. Um time mal escalado...espere aí: time? Para mim, um mistão de jogadores de Napoli e Udinese, coadjuvantes no Calcio há muito tempo. Todo o vexame é apenas reflexo de um futebol que vem perdendo toda a sua credibilidade. Basta lembra o episódio da manipulação de resultados, que rebaixou a Juventus e deu dois títulos à Internazionale. Aliás, a Inter, atual campeã da Europa, é uma excessão entre os falidos clubes italianos. Mas podemos contar nos dedos o número de atletas italianos no elenco Nerazzurri. Portanto, a vergonha azzurra não foi um mero acaso, e sim, resultado de uma série de erros. Sem vitórias, sem vaga, sem penta...melhor para o Brasil!

Um pouco mais: parabéns à Eslovaquia! Venceu jogando bem (poderia ter sido de mias!) e está classificada para as oitavas de final, em sua primeira participção com país independente em Copa do Mundo. Ao mesmo tempo que a Copa de 2010 nos trás decepções, ressucita grandes forças do futebol mundial. O primeiro, o bicampeão Uruguai. Agora, a Tchecoslovaquia (vice em 1934 e 1962 e sexta colocada em 1990), nos pés de uma parte de seu território, a Eslováquia.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Defoe save the English Team; EUA is the first!


Go ahead England and United States! Inglaterra e Estados Unidos garantiram hoje suas classificações para as oitavas de final. O English Team finalmente 'estreou' na Copa do Mundo, impôs seu ritmo e venceu a forte seleção da Eslovênia que, mesmo eliminada na primeira fase, fez um grande papel na Copa e nas eliminatórias, onde deixou República Tcheca e Russia para trás. As três alterações feitas por Fabio Capello surtiram efeito positivo, além até do que o treinador poderia esperar: no gol inglês, cruzamento de Milner (que ganhou a vaga de Lenon) e gol de Defoe (titular no lugar de Heskey). Não bastasse isso, no último minuto, Upson evitou o gol de empate e da desclassificação, se atirando à frente da bola. A entrada de Defoe deu maior movimentação ao ataque inglês e liberou Rooney para cair mais pelas pontas. Milner jogou aberto pelo lado direito, de onde sairam as melhores jogadas. Gerrard caiu pela ponta esquerda e Lampard chegava pelo meio. Parece ser esta a formação ideal da Inglaterra. Capello segue firme em busca de seu objetivo, estipulado pelos ingleses no momento de sua contratação: chegar, pelo menos, às semi finais do Mundial. No entanto, terá de passar, provavelmente, pela Alemanha (caso vença Gana) já na próxima fase. Por hora, de fato, Defoe save the English Team.

No outro jogo da chave, os EUA pressionaram durante todo o jogo, desperdiçaram chances incríveis e só puderam festejar a classificação aos 45 minutos do segundo tempo, quando o ídolo Donnovan marcou o gol da vitória. O time americano, do meio para trás é bom. Mas os atacantes... fortes fisicamente, fracos com a bola nos pés, perdem chances inacreditáveis. Contudo, os EUA estão nas oitavas de final. E com a moral de ter sido primeiro colocado. Até onde pode chegar a seleção americana? Difícil prever, mas é fácil perceber a evolução do esporte no país (a Major League atrai jogadores como David Beckham!), não só pela campanha na Copa do Mundo. Basta lembrar como foi difícil para o Brasil vencê-los na decisão da Copa das Confederações...

terça-feira, 22 de junho de 2010

Adieu, França...


Três jogos, nenhuma vitória (um empate e duas derrotas). Apenas um gol marcado e outros quatro sofridos. A França se despede da Copa do Mundo da África do Sul com uma campanha vexaminosa. Mas a tragédia já era anunciada. Basta lembrar a forma como o time francês chegou ao Mundial, vencendo a Irlanda do Norte com um gol irregular. Some a isso o relacionamento ruim entre o técnico Raymond Domenech e os jogadores, dentre eles, Henry e Anelka, dois dos mais experientes, talentosos e líderes do elenco. O resultado é simples: um time fraco, sem padrão de jogo, raça e vontade de vencer. Uma equipe indiferente quanto a ganhar ou perder. Na verdade, desde a aposentadoria de Zidane, em 2006, a França não consegue transformar o talento individual de seus jogadores em um time forte e competitivo. O futebol francês inicia agora um processo de renovação, que pode demorar algum tempo. Por enquanto, resta rever os erros, os acertos e recomeçar do zero. A Copa do Mundo de 2010 já era, acabou. Adieu, França...

África do Sul: faltaram "apenas" dois gols para a tão sonhada classificação. A vitória por 2x1 (a segunda na história do país em Copas do Mundo, havia vencido a Eslovênia em 2002, por 1x0) não foi suficiente para classificar os anfitriões para a próxima fase e, pela primeira vez na história, a Seleção da casa é eliminada na primeira fase. Mas foi o suficiente para coroar os donos da casa, as boas atuações nos três jogos e a maravilhosa recepção a todos os países. Parreira, enfim, conseguiu vencer uma partida no comando de outra Seleção que não fosse o Brasil, em sua sexta Copa. Parabéns ao treinador e aos sul-africanos.

Um pouco mais: OLHA A CELESTE AÍ GENTE...

A primeira colocação do grupo A não foi conquistada por acaso. O Uruguai cresce a cada jogo na Copa do Mundo. Um início ruim contra a França e boas atuações contra África do Sul e México. A melhora, muito se deve à entrada de Cavani, com o time uruguaio passando a ter maior força ofensiva, talento e sem perder a segurança de sua defesa. O trio de frente - Luis Suarez, Cavani e Forlan - leva o time de Oscar Tabarez às oitavas-de-final, fase onde o país não chegava desde 1990. A Celeste Olímpica renasce e a tradição do Uruguai se faz, novamente, presente. Olha a Celeste aí gente...

A soberba espanhola

Que a Espanha tem um timaço, um dos melhores da Copa, é indiscutivel. Talvez tenha o melhor meio-campo entre todas as Seleções e um dos melhores meio-campistas, Xavi. Na frente, um dupla de ataque rápida, eficiente e talentosa: Villa e Torres. Por todo esse poderio ofensivo, a Espanha cria em suas partidas uma quantidade enorme de chances para fazer o gol. Ontem, diante de Honduras, foram muitas oportunidades e apenas duas convertidas, com direito a pênalti perdido. Mas o desperdício não se deve à falta de qualidade dos jogadores, e sim, à soberba espanhola. O time de Vicente del Bosque tem como característica ter maior posse de bola que o adversário e, em algumas jogadas, é fácil perceber a falta de objetividade ou mesmo o excesso de capricho para concluir os lances. A Fúria, que se auto-entitula a melhor da Europa, parece pensar que pode decidir o jogo a qualquer momento. Contra o time hodurenho, deu certo. Mas a derrota para a Suíça, na estréia, comprova que o melhor é aproveitar as chances e jogar com seriedade. Inclusive, os gols perdidos podem fazer falta em algum momento, já na rodada final, pois as quatro Seleções do grupo chegam à última rodada com chances de classificação e a vaga pode ser definida no saldo de gols. Mas sem esquecer do detalhe: o Chile é o líder, seis pontos e se garante com um empate, resultado que não interessa para a Espanha. A Fúria não vai ter vida fácil e, se não quiser ficar pelo caminho na fase de grupos, terá de deixar a soberba de lado...

Um pouco mais: me recuso a comentar sobre a última "dungada". Que o técnico da Seleção Brasileira não sabe nada de tática e muito pouco de futebol, todos sabem. Mas suas atitudes revelam um mau-caratismo, que não tem nada a ver com o lado profissional, mas sim, humano. Ao xingar e ironizar Alex Escobar (e a todos os jornalistas presentes), Dunga mostra toda a sua arrogancia e despreparo para lidar com a imprensa. Dunga: jornalista também é gente, trabalha tanto quanto ou mais do que você e, assim como qualquer ser vivo, merece ser tratado com o mínimo de respeito.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Gonzalez derruba muralha suiça!


Foram 559 minutos, mais de nove horas sem sofrer um golzinho sequer em Copa do Mundo, um recorde (superando a Italia de 1990, que havia ficado 550). Mas a muralha da Seleção suiça desmoronou na cabeçada de Mark Gonzalez (que nacseu na Africa do Sul!), que deixou o Chile muito próximo da vaga nas oitavas-de-final. Aliás, se vier, merecidíssima classificação! Já nas eliminatórias, o time de El Loco Bielsa mostrou que não estava para brincadeiras e venceu 10 de seus 18 jogos, alcançando a segunda colocação e voltando a disputar um Mundial após 12 anos. Um empate entre Espanha e Honduras classifica os chilenos. No entanto, os gols perdidos durante o jogo podem fazer falta: em caso de vitória da Espanha (que precisa de fazer saldo) hoje, o Chile terá de, ao menos, empatar com a Fúria na última rodada, para não depender de ninguém e garantir a primeira colocação. Ou torcer por tropeço dos suíços contra Honduras. Mas não duvidem do Chile, que pode deixar os espanhóis de fora da fase final.

Goleada portuguesa com certeza!

Sete para Portugal, zero Coreia do Norte. Uma goleada inquestionavel, a maior da Copa até aqui (dificilmente será alcançada). No início, parecia que os norte coreanos complicariam a vida de Portugal: criaram algumas boas jogadas e contavam com a ansiedade portuguesa. Mas foi só impressão. Raul Meireles abriu o placar e o primeiro tempo terminou 1x0. Na etapa final, mais seis gols, show de Cristiano Ronaldo - que quebrou jejum de 2 anos sem marcar pela Seleção - e um passeio português, com boas atuações do contestado Fabio Coentrão e Tiago, que barrou Deco. O brasileiro Liedon entrou e deixou o dele também. Carlos Queiroz parece ter encontrado a formação ideal e vai encarar o Brasil, sexta-feira, praticamente classificado. A Costa do Marfim tem de vencer a Coreia, torcer por derrota de Portugal para o Brasil e tirar 10 gols de saldo. Quase impossível...graças à goleada portuguesa, com certeza!

Um pouco mais: O "LADO RUIM" DE SER BRASIL

Muitas pessoas estão se perguntando: como Portugal faz sete gols na Coreia do Norte e o Brasil só dois, sofrendo ainda um gol? Ao mesmo tempo que a resposta é complexa, é simples: o Brasil impõe respeito, receio e medo a seus adversarios. Contra os brasileiros, é o jogo da vida. Por isso, as equipes arriscam menos, se defendem mais e dificultam que os gols saiam em grande quantidade. Muitos se contentam em perder de pouco, embora não haja mais bobo no futebol. Esse, sem dúvida, é o "lado ruim" de ser Brasil...

sábado, 19 de junho de 2010

Especial: A paixão vermelha na Argentina



Nem só de Boca Juniors e River Plate vive a paixão argentina pelo futebol. Na série sobre os mais belos cantos de torcida pelo mundo, o Blog Futebol e um pouco mais mostra que o vermelho é a cor do coração de muitos 'hermanos'. O Club Atletico Independiente é um dos clubes mais tradicionais do país, bi-campeão do mundo (1978 e 1986), dono de 7 Copas Libertadores e 14 Campeonatos Argentinos. O "Diablo Rojo" (Diabo Vermelho), como é conhecido, tem as cores vermelha e branco em homenagem ao Nottingham Forest, da Inglaterra. Segundo pesquisa, o Independiente teria a terceira maior torcida argentina, com 7,5% da preferência nacional (cerca de 2.600.000 torcedores). Seu grande rival é o Racing, contra quem faz o tradicional "Classico de Avellaneda", um dos 134 municípios da província de Buenos Aires, com cerca de 25 mil habitantes. Em "El rojo es mi pasion, locura de mi corazon", os rojos declaram toda a paixão pelo Indenpendiente. Mas não esquecem as provocações, exigindo a vitória vermelha para que os torcedores de River, Racing ("La Academia") e todos os demais chorem. Curtam um pouco desta 'inexplicável' loucura.

Letra original de "El rojo es mi pasion, locura de mi corazon":

El Rojo es mi pasión
locura de mi corazón
que no puedo parar
y no hay manera de explicar
la vuelta vamo a dar
y todos vamo a festejar
nosotro en el tablón
y ustedes con el corazón
vamo independiente que tenemos que ganar
para que llore River,
la Academia y todos los demás
vamo independiente que tenemos que ganar
para que llore River,
la Academia y todos los demás

Tradução: 'O vermelho é minha paixão, loucura do meu coração':

Vermelho é minha paixão,
loucura do meu coração
Eu não posso parar
e não há maneira de explicar
A volta olímpica nós vamos dar
e todos vamos festejar
nós na arquibancada
e vocês com o coração
vamos Independente, temos de ganhar
Para que o River, a Academia
e todos os demais chorem
vamos Independente, temos de ganhar
Para que o River, a Academia
e todos os demais chorem

sexta-feira, 18 de junho de 2010

"God save the English team"...


Zero para a Inglaterra, zero para a Argelia. Na estréia, empate com os Estados Unidos, 1x1. O tão badalado "English team" soma apenas dois pontos em duas rodadas, nenhuma vitória. Nos dois jogos, atuações pífias de Lampard e Rooney. Gerrard, bem no primeiro jogo, foi muito mal hoje. E, desta vez, a culpa não foi do goleiro. Aliás, David James ganhou a posição de Green, o que gerou certa insegurança nos jogadores ingleses, sobretudo após as declarações de Fabio Capello, dizendo que não admitiria mais erros. Mas é facilmente perceptivel a falta de um grande centroavante, um goleador, como é o Drogba, Fernando Torres e o Berbatov - para citar os que atuam na terra da Rainha. Rooney não rende como homem de área, mas sim, com liberdade, caindo pelas pontas e tentando finalizar de longa distância. Poderia ser o Peter Crouch? Sim, talvez. Mas no banco, fica difícil fazer algum gol...também não entendi a barração de Wright-Phillips, que no primeiro jogo foi bem, aberto pelo lado esquerdo, assim como Lenon, no lado direito. Ou seja, para a partida contra a Argelia, Capello mudou o que deu errado - o goleiro - e o que deu certo - os pontas abertos pelos lados do campo. Cabeça de técnico é complicado...como explicar Joe Cole na reserva, sem sequer entrar no decorrer da partida? Resultado: um presente de grego para o treinador italiano, no dia de seu aniversário. Agora, na última rodada, é vencer ou vencer a Eslovênia. Se vai ser fácil? De maneira alguma. Os eslovenos lideram o Grupo C, com quatro pontos, e dependem apenas de um empate. E, se acontecer, não será a primeira vez que a Eslovênia elimina um gigante: basta lembrar que, nas Eliminatórias, derrotou a forte Russia na repescagem (perdeu por 2x1 fora e venceu por 1x0 em casa). Será que teremos Alemanha, França e Inglaterra fora, já na fase de grupos? É possível que pelo menos um dos três (a França principalmente) não avance. E, se o hino inglês diz: "God save the Queen" - Deus salve a Rainha -, o torcedor pode rezar e pedir: "God save the English team" - Deus salve o time da Inglaterra!

Do Céu ao Inferno em 5 dias...


Time de melhor futebol na primeira rodada, a Alemanha encantou ao golear a Australia por 4x0. Criou-se muita expectativa em cima do time de Joachim Low. Mas, em apenas 5 dias, o mundo perfeito dos alemães, assim como o Muro de Berlim, símbolo de força no país, desabou. Frente a um forte adversário, a Sérvia, o time alemão apresentava um bom futebol. Muller caindo pela direita, com o apoio de Lahm, Ozil pelo meio, Podolski no lado esquerdo e Klose centralizado conseguiam envolver o time sérvio e o gol parecia questão de tempo. Só parecia. De maneira tola, ao cometer falta no meio campo, Klose recebeu segundo cartão amarelo e foi expulso. Para piorar, a traiçoeira seleção sérvia conseguiu abrir o placar, com Jovanovic. Mesmo assim, os alemães seguiram controlando a partida e pressionando. Ainda no primeiro tempo, Khedira mandou uma bomba no travessão e, na sequência, Muller só não marcou de bicicleta porque o excelente lateral esquerdo Kolarov salvou em cima da linha. No início da segunda etapa, Podolski desperdiçou a melhor chance de empate, em pênalti mal cobrado e defendido por Stojkovic. O detalhe é: tá certo que a bola talvez encontrasse a cabeça do atacante, mas como pode Vidic, zagueiro do Manchester United, colocar a mão na bola daquele jeito? Sorte que o dia era vermelho. A Sérvia ainda acertou a trave em duas oportunidades e mostrou que a derrota para Gana foi um mero tropeço, em dia que nada deu certo.

Agora, na última rodada, a Alemanha, sem Klose, terá de vencer Gana. Aliás, uma vitória dos ganeses amanhã, contra a Australia (difícil imaginar outro resultado que não seja a vitória africana) deixa o time africano perto da vaga, dependente de apenas um empate ou até uma derrota, dependendo do saldo. Na outra partida, Sérvia e Australia, onde os sérvios terão de vencer e aguardar o resultado de Alemanha e Gana. Talvez, e muito provavelmente, as duas vagas serão definidas no saldo de gols. E os alemães, favoritos ao tertacampeonato, assim como a França, podem ficar de fora da oitavas de final.

Como é o futebol: a Alemanha, em apenas 5 dias, foi do Céu ao Inferno...

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Segurem Messi e Los Hermanos!


Dá gosto ver a Argentina jogar! Toques rápidos, jogadores velozes, habilidosos e a expectativa de grande jogada a cada lance de Messi, Tevez, Di Maria, Aguero (reserva!), Veron (que não jogou hoje). Aliás, não dá para definir muito bem o esquema tático do time de Maradona: Di Maria cai pela esquerda e Higuain (que fez três e se redimiu dos gols perdidos contra a Nigéria - embora eu prefira o Diego Milito) fica centralizado, isso é fácil perceber. Mas Messi e Tevez se movimentam o tempo todo, por todos os lados e são auxiliados pela chegada de Verón ( hoje, Maxi Rodrigues). Aliás, é interessante notar que 'los hermanos' jogam apenas com um volante de origem, Mascherano. Jonas Gutierrez, do Newcastle, que na verdade é meia, joga na lateral-direita. Talvez aí a grande deficiência da equipe: a defesa. Principalmente, individualmente: Demichellis não é confiável, bem como Heinze - onde Maradona estava com a cabeça ao não convocar Zanetti? O próprio Gutierrez não passa segurança. Mas todos os defeitos são minimizados pelo talento dos meias e atacantes, sobretudo, de Messi. O que esse rapaz joga é brincadeira! E joga para o time, cumpre função tática e não é dificil vê-lo dividindo, roubando bolas e, de vez em quando, até cometendo faltas. E com a bola nos pés, não precisa nem comentar. A melhor definição que ouvi para Messi é "jogador de playstation". Realmente parece: velocidade incrível, com a bola praticamente colada a seus pés, precisão nos passes e lances geniais! Posso estar enganado, mas essa Argentina vai longe... e, mesmo que não vá, vale a pena ver o time de Maradona em campo. Segurem Los Hermanos!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

"La Furia amarilla"?


E a Zebra deu as caras na África do Sul...a tão badalada Espanha foi derrotada na estréia, pela pouco comentada Suiça. Mas alguns fatores devem ser considerados. O primeiro que, sem dúvidas, futebol é resultado. E a Fúria continua devendo quando o assunto é Copa do Mundo. No entanto, apesar da derrota, a Espanha apresentou um bom futebol. O melhor meio-campo da Copa, com Xabi Alonso, Xavi, Iniesta e Davi Silva - Fabregas, Pedro e Jesus Navas no banco. No ataque, os excelentes Davi Villa e Fernando Torres - que começou no banco, entrou e deu outra movimentação. Um dos times mais equilibrados - se não o mais - da competição, os espanhóis tentam mudar o histórico de "time pipoqueiro" e "amarelão". Mas não cabem só criticas aos espanhóis, e sim, elogios aos suiços. Um time que se propos a marcar, sair nos contra-ataques e, se possível, marcar um gol. E foi exatamente o que fez, com perfeição. A excelente atuação do bom goleiro Benaglio, do Wolfsburg, e sorte no gol e na defesa, como na bola no travessão de Xabi Alonso, decretaram o histórico triunfo suiço. E lá se vão oito horas sem tomar um gol em Copas do Mundo. Vale lembrar que, em 2006, a eliminação nas oitavas-de-final para a Ucrânia ocorreu nos pênaltis, após empate por 0x0, na única vez em que uma Seleção terminou uma edição de Mundial sem ter seu goleiro vazado. Portanto, o placar de 1x0 aconteceu, muito mais, por méritos da Suiça do que desmérito da Espanha. E que a Fúria se cuide, vença Honduras e Chile, para que "La Furia Roja" não se transforme em "La Furia amarilla" já na primeira fase...

Coerente até demais!


Venceu sim, mantendo a tradição de vitórias em estréias de Copas do Mundo, desde 1982. Mas não convenceu. O Brasil pecou pela coerência em excesso. Sem movimentação e criatividade alguma, especialmente na primeira etapa, pareciam 11 estátuas, coerentes com o esquema de jogo e ordens de posicionamento pedidas por Dunga. Um time lento nas saídas de bola, sem vibração e sem Kaká, pois aquele não é o camisa 10 da Seleção: fisicamente bem, ainda está sem ritmo de jogo. Mas nem tudo foi ruim. Robinho foi muito bem, tanto no ataque, como no meio-campo, e deu grande passe para o gol de Elano. O meia foi outro que teve participação decisiva: um gol e um passe para o outro. Mas o grande destaque foi Maicon: bem no apoio e na defesa (exceto no gol da Coréia do Norte, quando houve uma desatenção geral), marcou um belo gol - não é o primeiro que faz desse jeito. Uma atuação coerente com um ano maravilhoso, em que conquistou a Copa da Itália, o Campeonato Italiano e a Champions League. A bem da verdade, exceto a Alemanha, nenhuma Seleção apresentou um grande futebol na primeira rodada. Mas, se analisarmos os adversários dos grandes favoritos (Argentina, Holanda, Itália, Alemanha, Inglaterra, França e Espanha, que ainda estréia), veremos que o mais fraco é a Coréia do Norte. É isso que preocupa...

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Especial: Borracho sim senhor!



No especial sobre as mais belas canções de torcidas pelo mundo, não poderia faltar uma das torcidas mais apaixonadas do Brasil e do mundo: a do Grêmio. A força do tricolor gaúcho dentro de seu estádio, o Olímpico, é conhecida por todos. E a explicação passa pelas arquibancadas. São vários cantos de letras e melodias belíssimas, no estilo do torcedor argentino e, por que não gaúcho, além da coreografia e balé das bandeiras. Em Meu único amor, os gremistas cantam o orgulho de serem borrachos (apelido dado à torcida tricolor) e encantam, demonstrando que o Grêmio é o maior amor! Só não diga que o coração do torcedor tricolor é vermelho...

Em breve, a torcida do Internacional e outros cantos da dupla Gre-Nal.

Letra de "Meu único amor":

Eu sou borracho sim senhor,
E bebo todas que vier.
Canto pro meu tricolor,
Meu único amor
E dá-lhe,dá-lhe tricoloôoôoôor
E dá-lhe,dá-lhe tricoloôoôoôor,
Eu sou borracho sim senhor
E bebo todas que vier
Canto pro meu tricolor,
Meu único amor!!!
E dá-lhe,dá-lhe tricoloôoôoôor
E dá-lhe,dá-lhe tricolôoôoôoôr
Eu sou borracho sim senhor...

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Fogão vence Fla e fecha com Jobson!


Primeiro, Joel Santana recusou trocar o Botafogo pelo Flamengo. E hoje, Jobson decidiu voltar ao Glorioso a ir para o rubro-negro. Mais do que grande reforço, a contratação de Jobson confirma o que é visivel: o Botafogo mudou, e pra melhor. Um trabalho que começou em 2003, com Bebeto de Freitas, levando o alvinegro de volta á primeira divisão do Brasil e conseguindo se manter em 2004. Passou pela construção do CT João Saldanha, em General Severiano, a conquista do Carioca de 2006, a sequência de decisões no Rio de Janeiro e a posse do Engenhão. Hoje, atual campeão carioca, o Fogão tem estrutura, credibilidade e cacife para vencer uma concorrência como a do Flamengo (que tem o maior patrocínio do país)e oferecer um contrato de cinco anos, participando dos direitos do jogador e levando vantagem financeira caso seja negociado. Algo que, há oito anos atrás, era inimaginável. O alvinegro não tem mais um time inteiro de aluguel, mas sim, jogadores do clube. E Maicossuel é questão de tempo, talvez seja apresentado semana que vem. Esse é o Botafogo, voltando a ser Botafogo. E não estranhem se, daqui a pouco tempo, o Glorioso levantar um caneco importante, como o próprio Campeonato Brasileiro, ou quem sabe uma Libertadores...

terça-feira, 8 de junho de 2010

Especial: Boca, mais que um bom amigo



Ainda na Argentina, o Blog Futebol e um pouco mais mostra o outro lado de "El Superclásico", a maior rivalidade do país. Ou seja, é a vez dos Xeneizes, os torcedores do Boca Juniors, declararem sua paixão no especial sobre as mais belas canções de torcidas pelo mundo. O clube dispensa comentários: são 3 Mundiais Interclubes, 6 Copas Libertadores da América e 23 Campeonatos Argentinos, dentre outras conquistas. Na galeria de ídolos, Dom Diego Armando Maradona é o destaque. Não precisa falar de mais ninguém...a torcida, segundo pesquisas, é a maior do país, seguida de perto pela do River Plate. Aliás, os Milionarios são lembrados em quase todas as canções dos torcedores do Boca, mas nunca de forma carinhosa. Em "Yo te sigo a toda parte", os Xeneizes dizem seguir o time em todas as partes, para ver o Boca campeão. Mas sem importar o que digam, pois essa é uma paixão que cresce cada vez mais!

"Yo te sigo a toda parte", original:

Boca mi bueno amigo
esta campaña volveremo a estar contigo
te alentaremoo de corazón
esta es la hinchada qe te quiere ver campeon
no me importa lo que digan
lo qe digan lo dema
yo te sigo a toda parte
cada ves te quiero mas!

Tradução: Eu te sigo em todas as partes:

Boca, meu bom amigo,
Nesta campanha, voltaremos a estar contigo
te apoiaremos de coração,
esta é a torcida que quer vê-lo campeão
não importa o que digam,
o que digam os demais
eu te sigo em todas as partes
e cada vez te amo mais!

segunda-feira, 7 de junho de 2010

É pra lamentar mesmo...


Pela terceira vez nos últimos quatro jogos, o Botafogo foi superior ao seu adversário e não saiu de campo com a vitória. Excluindo o clássico contra o Vasco, o Glorioso poderia ter vencido Cruzeiro, Atlético-PR e Corinthians, ontem no Engenhão. Em outras palvaras, significa dizer que, dos últimos doze pontos disputados, ganhou apenas dois. Significa dizer que o Fogão poderia estar no G-4, até dividindo a liderança com Corinthians e Ceará, mas vai assistir à Copa do Mundo apenas na oitava posição.

Falta poder de decisão e criatividade ao Botafogo, e isso é claro. Contra Cruzeiro e Atlético, muitas oportunidades de gol desperdiçadas. Mas ontem, dois momentos de desatenção e falhas de Fabio Ferreira decretaram o empate: no primeiro gol, lance semelhante ao gol de Ernani, do Vasco, em que o zagueiro vai de primeira na bola e é facilmente driblado. No segundo, não acompanhou Paulo André, que cabeceou e marcou o tento de empate aos 47 minutos do segundo tempo. Ao contrário dos outros jogos, o Fogão não criou tanto, mas conseguiu forças para virar a partida, ao encaixar dois bons contra-ataques.

De positivo, o bom futebol de Leandro Guerreiro e Lucio Flavio - que vem recuperando a boa forma - e a atuação de Marcelo Cordeiro, tomara, para garantir seu retorno ao time titular. O Botafogo tem mostrado que pode jogar de igual para igual com qualquer um, seja onde for. Mas falta a cereja do bolo, o jogador diferenciado. Ah, vou falar logo, vai...falta Maicossuel! Com ele e mais alguns reforços - um zagueiro, um atacante e mais um meia, o Bota pode sonhar alto no Brasileirão, onde já poderia estar mais longe. É para lamentar mesmo...

Fluminense: quatro jogos, quarta vitória seguida. Quebrou ivencibilidade de 25 jogos do Avaí no Ressacada, onde só havia sofrido três gols uma vez neste ano, na vitória sobre o Brusque, 4x3. Esse é o FLuminense de Muricy, que soube suportar a pressão na metade da primeira etapa e teve competência em aproveitar as chances de gol, algo que falta ao Botafogo, por exemplo. Carlinhos, mais uma vez, esteve bem. Fred e Alan, decisivos. O tricolor vai ver a Copa no G-4, na terceira colocação. E terá pela frente o Grêmio Prudente no Maracanã, enquanto Ceará e Corinthians se enfrentam no Castelão. Ou seja, o Fluzão pode assumir a liderança logo no retorno do Brasileirão. E, com alguns reforços, seguramente vai brigar pelo título.

Flamengo: sem Pet e sem Love, sem criatividade, poder de decisão e qualidade. Um elenco numeroso, mas deficiente. É só observar o fato de Bruno Mezenga, já com empréstimo acertado junto ao Légia, da Polonia, ter sido chamado às pressas para o jogo contra o Goiás. Aliás, que jogo ruim! Cinquenta e nove passes errados do rubro-negro. E uma derrota por 2x1 para o Goiás em ascenção no Campeonato Brasileiro, que quebrou jejum de 24 anos sem bater o Fla no Rio de Janeiro. E o Bruno, em? Falhou de novo...e nois dois gols.

Vasco: dos quatro grandes, é o que mais precisa se reforçar. Incrível como o Santos goleou sem fazer esforço. O Vasco precisa fazer uma limpa em seu elenco, e contratar jogadores de qualidade. Mas sem perder os que já tem. Dodô teve contrato rescindido. Philipe Coutinho deve mesmo ir para a Inter de Milão agora. E a renovação com Carlos Alberto é complicada. Acorda Vascão!

Um pouco mais: Corinthians e Ceará, líderes e invictos, ambos com 17 pontos. Para o Timão, arrancada importante na briga pelo caneco. Para o Ceará, que me perdoem os torcedores do Vovô, pontos importantes para permanecer na elite e sonhar com uma vaga na Copa Sul-americana...

domingo, 6 de junho de 2010

Especial: A doença chamada River Plate



O Blog Futebol e um pouco mais mostra, em seu quarto post sobre "as mais belas canções de torcidas pelo mundo", a paixão de nossos hermanos argentinos pelo futebol. Hoje, em especial, da torcida do River Plate. Em "Hay que alentar de corazon", os Millonarios retratam todo esse amor ao clube, comparando o sentimento a uma doença, que não tem cura. Garantem estar onde o time estiver, ganhando ou perdendo, com a camisa vermelha e branca e incentivando, de coração.

Em breve, a paixão dos torcedores pelo Boca Juniors, o grande rival do River Plate. Os dois times, os mais tradicionais do país, fazem o chamado "Superclásico". Juntos, representam mais de 60% da preferência da torcida argentina. O apelido "Millonarios" nasceu da vantagem vermelha e branca entre os torcedores de classe média-alta e entre os que tem educação superior. O Boca tem quase o dobro na classe baixa e entre as pessoas que completaram apenas o primário.

Letra de "Hay que alentar de corazon", original:

Vamo' campeon,vamo' a ganar,
donde jugues, vamos a estar,
cuando mires, para el tablon,
vamos a estar siempre con vos...

Hay que alentar de corazon, hay que alentarlo al campeon, de la cabeza.
Que no me importa si ganas, que no me importa si perdes,
yo vengo con la camiseta...
esos colores que llevas, son parte de la enfermedad,
de la que nunca...me voy a curar...

Vamo' campeon, vamo a ganar,
donde jugues, vamos a estar,
cuando mires, para el tablon,
vamos a estar siempre con vos...

Tradução: Tem que incentivar de coração

Vamos campeão, vamos ganhar
onde nós jogarmos, estaremos,
quando você olha para a arquibancada,
estaremos sempre com você ...

Tem que ser de coração, devemos incentivar o grande campeão.
Eu não me importo se você ganhar, eu não me importo se nós perdermos,
Eu venho com a camisa...
essas cores que você usa, fazem parte da doença,
da qual eu nunca vou me curar ...

Vamos campeão, vamos ganhar
onde nós jogarmos, estaremos,
quando você olha para a arquibancada,
estaremos sempre com você ...

sábado, 5 de junho de 2010

Palpites da 7ª rodada...

Jogos de sábado:

Vitória 2x0 Atlético-PR - aposto em uma vitória do Vitória!

Flamengo 1x1 Goiás: - sem Petkovic e Vagner Love, Flamengo perde em criatividade, velocidade e poder de decisão. Volta a ser um time previsível, dependente de seus alas (não aguento mais escrever isso!) e com pouca variação de jogadas. Diante de um Goiás (que tem dado trabalho ao Fla ultimamente) em recuperação, empate.

Avaí 1x1 Fluminense: - jogo difícil para o Fluminense. Avaí começou muito bem o Brasileirão e essa empolgação contagia à torcida e jogadores. Flu vem se acertando, ganhando corpo e cara de Muricy. Conca vem jogando bem, Fred recuperando a boa forma e Carlinhos, arrebentando. Alan tem sido o talismã tricolor: entra e decide. Mas hoje, Fluzão só empata.

Jogos de domingo:

Atlético-MG 2x0 Ceará: - Galo freia um pouco a arrancada do Vovô.

Santos 3x0 Vasco: - essa paralisação para a Coopa do Mundo será fundamental para que o Vasco reveja seu planejamento e contrate reforços. O time é fraco e a pressão é grande. Na Vila Belmiro, time cruzmaltino não resiste aos garotos do Santos, que vencem com boa diferença de gols.

São Paulo 2x2 Grêmio - empate entre tricolores paulista e gaúcho. Mas com dois gols de Fernandão e boa atuação de Marlos, para que eu pontue bem no Cartola!

Botafogo 3x1 Corinthians: - sem Somalia, Fahel, Wellington, Tulio Souza e Edno. Botafogo desfalcado? Talvez só de Somalia. As entradas de Marcelo Cordeiro e Renato Cajá podem dar mais qualidade ao time, que volta a ter um lado esquerdo forte ofensivamente. Cajá dará auxilio a Lucio Flavio na armação. Antônio Carlos volta à defesa, ao lado de Fabio Ferreira. Na frente, Caio e Herrera. Acredito na vitória do Glorioso, que tem jogado bem.

Guarani 2x0 Grêmio Prudente: - Bugre, embalado, vence duelo do interior paulista.

Atlético-GO 1x2 Cruzeiro: - quem te viu, quem te vê. O Atlético-GO foi campeão goiano e fez grande campanha na Copa do Brasil. Mas, no Brasileirão, virou saco de pancadas. E será nocauteado novamente, desta vez, pela Raposa.

Internacional 2x0 Palmeiras: - Colorado vence o fraquissimo time do Palmeiras. Reforça, Verdão! Ou vai amargar a segundona em 2011...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Especial: O Horto Magiko tricolor



O terceiro post da série "as mais belas canções de torcidas pelo mundo", traz um pouco da paixão do torcedor pelo Fluminense. O Horto Magiko, da torcida do Panathinaikos, foi adaptado e transformou-se no Horto Magiko tricolor, entoado com orgulho nos jogos do Flu, no Maracanã e por todos os cantos do país. Os tricolores relembram trechos do hino, como "sou tricolor de coração" e "sou do clube tantas vezes campeão". Cantam, eternizam e não se esquecem de agradecer a Deus pelo amor ao time das Laranjeiras.

Letra do Horto Magiko tricolor:

Sooou,
Sou Tricolooor,
Sou Tricolor de Coraçãoooo,

Vim Ver o Flu,
Meu Grande Amor,
Graças a Deus Sou Tricolor,

Vamos Fluzão,
Vamos Ganhar
Eu Sou do Clube Tantas Vezes Campeão,
Vim Pra Torcer,
Vim Pra Gitar,
E Por Você a Vida Inteira Eu Vou Cantar,

Vamos Fluzão (VAMOS FLUZÃO),
vamos Ganhar (VAMOS GANHAR),
Eu Sou do Clube Tantas Vezes Campeão (É CAMPEÃO),
Vim Pra Torcer (VIM PRA TORCER),
Vim Pra Gritar (VIM PRA GRITAR),
E Por Você a Vida Inteira Eu Vou Cantar.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Ah, Botafogo...assim não dá!


Quarenta e cinco minutos praticamente impecáveis. A defesa ganhando todas do ataque adversário e, na frente, dois gols marcados na primeira etapa. Com um detalhe: o jogo é fora de casa, com a torcida pressionando e cobrando o time local desde o início, mais ainda após a desvantagem no placar. Será possível perder uma partida como essa? O Botafogo mostrou que sim. Em apenas quatorze minutos.

O Fogão iniciou a partida contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada, com uma surpresa na escalação: Edno no lugar de Caio. E o atacante jogou sua melhor partida com a camisa alvinegra. Aliás, uma grande atuação alvinegra no primeiro tempo. Dois gols, de Herrera e Lucio Flavio (um belo gol do capitão), que poderiam ser três, quatro, cinco...mas o Fogão não o fez. Na defesa, Fábio Ferreira ganhando todas as antecipações e divididas - o zagueiro vem jogando muito! Na única falha, Fahel não acompanhou Paulo Baier, que recebeu livre no meio da área e diminui o placar. No entanto, o jogo permanecia sob controle. Até os dois minutos da etapa final, quando Fahel cometeu falta boba (nem sei se foi, mas deixa quieto) em Paulo Baier. E ele, pela 12ª vez em 15 jogos, balançou as redes do Bota. Ah Fahel...pouco depois, um puxão de camisa, no meio de campo, o segundo amarelo e a expulsão. Pronto! Não demorou para Alex Mineiro arriscar, de fora da área, a bola desviar em Fabio Ferreira e pegar Jéfferson no contrapé. Era a virada do Furacão, em quatorze minutos.

Com o resultado, o Glorioso somou apenas um ponto nos últimos três jogos. Poderiam ser sete, tranquilamente. O time de Joel Santana perdeu a chance de vencer Cruzeiro e Atletico-PR fora de casa. Poderia ser o líder, mas é apenas o sétimo. Ah, Botafogo...assim não dá!

Fluminense: terceira vitória seguida, terceira colocação no Brasileirão. Este é o Fluminense de Muricy Ramalho, um time que sabe o que quer com a bola, cada vez melhor taticamente e, ao contrário do Botafogo, tem conseguido os resultados. Fred marcou novamente e está recuperando a boa forma. Carlinhos caiu como uma luva e vem jogando demais. No banco, Alan se transformou em talismã: entra e decide. Foi assim contra o Atletico-MG e ontem, diante do Vitória. De canela, deu a vitória ao tricolor carioca, que não jogava bem àquela altura, e a esperança em parar para a Copa do Mundo no topo do Brasil.

Flamengo: ele perde muitos gols, é verdade. Mas é raçudo, corre, se entrega durante toda a partida e decide. Este é Vagner Love, decisivo novamente ontem, com gol aos 42 do segundo tempo, garantindo a vitória do Flamengo sobre o Palmeiras. Um jogo fraco tecnicamente, 47 passes errados no primeiro tempo. Mengão melhor no segundo, mas desperdiçando algumas chances. Até que Love marcou e garantiu o rubro-negro no G-4. Já o Palmeiras...se não reforçar, vai enfrentar, pela segunda vez em sua história, o pesadelo da Série B em 2011...

Um pouco mais: o amistoso do Brasil contra o Zimbábue serviu somente para confirmar três coisas:

-as presenças de Michel Bastos e Elano no time titular;
-a importância de ter Daniel Alves no banco, que pode atuar nas duas laterais e no meio-campo;
-e que podemos até conquistar o Hexa, mas esse time do Brasil não empolga...

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Especial: O arrepiante Horto Magiko



Na segunda matéria do especial sobre as mais belas canções de torcidas pelo mundo, o Blog Futebol e um pouco mais viaja até a Grécia e mostra um verdadeiro grito de guerra, que arrepia a qualquer um: o Horto Magiko, dos fãs do Panathinaikos. O canto faz um paralelo entre o "vício" da torcida do Panathinaikos pelo time com o vício das drogas. O clube é um dos maiores do país, com 21 títulos nacionais no futebol e muita tradição em outros esportes. Reparem que, no vídeo acima, o Horto Magiko é cantado em um jogo de Basquete, mostrando a paixão dos torcedores pelo clube, em qualquer modalidade.

A música ganhou versões no Brasil, sendo mais famosa a da torcida do Fluminense. Em breve, você irá conferir o Horto Magico Tricolor.

Horto Magiko, em grego:

"Horto magiko dose mou ligo gia na pio ton PAO mou na onirefto kai tha fonakso sto theo: panatha mou se agapo san iroini san skliro narkotiko san to chasis, to lsd gia sena PAO mastouroni oli i gi panatha mou se agapo opou kai an pezis panta tha se akoloutho PAO edo, PAO eki opou kai an pezis panta tha maste mazi"

Tradução de Horto Magiko:

“É uma magia de ervas mágicas, dá-me sabor ao sonho da minha PAO.
Para gritar até Deus: meu Panatha, eu te amo, como a heroína, como uma droga pesada, como o haxixe, LSD!
O mundo inteiro, PAO todo o mundo é grande em você!
Meu Panatha, Meu Panatha, eu te amo, eu te amo. Onde você pode jogar, sempre vou seguir você e você vai me acompanhar!
PAO aqui, PAO aqui, ali PAO, PAO lá, onde você jogar, vamos ser um só conjunto, sempre juntos!”

terça-feira, 1 de junho de 2010

Pesquisas de opinião ou de interesse?


"Esse é um país que vai pra frente!". Será? Realmente tem tudo pra ir: não temos vulcões, terremotos graves, temos as mais belas paisagens, território rico, privilegiado na questão da água e outros assuntos. Mas...enquanto certas pessoas estiverem envolvidas nas principais decisões sobre o futuro do Brasil, este país jamais irá pra frente. Por que escrevo isso? Para mostrar que, até em pesquisas de opinião, existem manipulações de resultados de acordo com a vontade de alguns, estes, que não deixam o país evoluir. De uma hora pra outra, Dilma passa José Serra nas pesquisas de eleições presidenciais. Como se o eleitor acordasse, de um dia pro outro, e dissesse: hoje eu quero votar no candidato x. Amanhã, muda de opinião.

Pois até no futebol, isso tem acontecido, e com frequência. Ontem, uma pesquisa divulgada pelo Lance mostra, mais uma vez, um resultado absurdo, e deixa claro que existem interesses de terceiros por trás dos números. Ou você acha, sinceramente, que o SPORT (com todo o respeito ao time pernambucano) tem mais torcida que BOTAFOGO E FLUMINENSE? Que os dois cariocas têm o mesmo número de adeptos do Bahia? Isso é um tremendo desrespeito a essas instituições, duas das maiores do Brasil e do mundo. A torcida do Leão não estava nem entre as 15 maiores do país, em pesquisa de 4 de Janeiro de 2010, Datafolha. E agora ultrapassa Botafogo e Fluminense? Aí, não. Seria a mesma coisa que discutir qual a mais numerosa: Flamengo ou Corinthians? Isso não existe, a torcida rubro-negra é BEM maior, não restam dúvidas. E vou mais longe: duvido que as torcidas de Fogo e Flu sejam menores que as de Santos, Atlético-MG e Internacional. Só para encerrar: é bem capaz de a torcida do Flamengo ter diminuido, como mostram os números. Afinal, o time foi Campeão Brasileiro ano passado...alguns milhões de masoquistas não devem ter gostado...

Só queria entender qual o pôr que em manipular este tipo de pesquisa, que deixou de ser de opinião há muito tempo, e se transforrmou em pesquisa de interesses. Quem está por trás e o que ganha com isso? Ainda não existem provas. Mas quem perde e o que perde, nós sabemos muito bem: o Brasil e seu povo, cada vez mais com menor credibilidade, por culpa de alguns...

Pesquisa Datafolha, 04/01/2010:

1° Flamengo 19%
2º Corinthians 13%
3º São Paulo 8%
4º Palmeiras 7%
5º Vasco 5%
6º Cruzeiro 4%
7º Grêmio 3%
Internacional 3%
9º Santos 2%
Atlético Mineiro 2%
Botafogo 2%
Seleção Brasileira 2%
12ºBahia 1%
Vitória 1%
Fluminense 1%
Nenhum 23%

Pesquisa Lance/Ibope, 31/05/2010:

1° Flamengo 17%
2º Corinthians 13%
3º São Paulo 8%
4º Palmeiras 6%
5º Vasco 4%
6º Grêmio 4%
7º Cruzeiro 3,5%
8° Santos 2,7%
9° Atlético Mineiro 2,6%
10°Internacional 2,5%
11°Sport 1,7%
12°Botafogo 1,6%
Bahia 1,6%
Fluminense 1,6%