sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Talvez...

Quando acordei na manhã daquele sábado, 26 de novembro, e olhei para o céu nublado, tempo chuvoso...parecia pressentir. Friburguense e Madureira decidiriam o título da Copa Rio no estádio Eduardo Guinle. A oportunidade de conquistar o troféu que havia faltado na campanha do acesso era essa. E o Frizão venceria! Sim! Não tinha como perder. O melhor time, a melhor camapanha, jogo em casa, jogadores confiantes...e a pior das tempestades! Longe de ser como aquela de 12 de janeiro, que devastou parte da cidade. No entanto, o suficiente para deixar um amargo, um gostinho de quero mais...de que faltou algo...de que não foi completo. Depois de uma eternidade - sim pois as horas pareciam não passar das 7  às 16h - a bola rolou. Ou melhor... a bola não rolou. A chuva forte alagou o gramado e a troca de passes foi dificultada. O recurso da bola aérea favorecia ao Madureira, claro. Dois gigantes - Zé Carlos e Alex Sanchez - contra o pequeno Ricardinho...e posteriormente o não maior Ziquinha! E depois de erro na saída de bola, Elias abriu o placar para o time carioca. Uma mistura de sentimentos tomou conta da torcida tricolor. O grito de "vamos virar Frizão" era entoado de forma tímida, embargada. Mas o que era tensão virou esperança quando Diego Guerra cobrou pênalti e empatou, ainda no primeiro tempo. Sim...mas o futebol é capaz de provocar diversas situações em apenas 90 minutos. Aliás, bastaram poucos na etapa final para Elias receber um lançamento / chutão e dar um toquinho por cima de Adilson, marcando o segundo. O empate veio de cabeça com Bidu, 2x2. O mesmo que cometeria pênalti pouco depois. Elias cobrou e marcou o terceiro dele e do Madureira. Aos poucos, os torcedores deixavam o Eduardo Guinle, cabisbaixos, debaixo de chuva que não deu trégua. Eu, das cabines de rádio, observava. E me lembrava do jogo contra o Serra Macaense, aquela mesma cena. Quando o árbitro apitou o fim do jogo e olhei para o campo, outro replay: Bidu desabou na área, quase no mesmo lugar do jogo contra o Serra, e disparou a chorar. O título escapou mais uma vez, diante de mais de mil torcedores...e a pior das tempestades teve grande parcela de culpa...talvez se não tivesse chovido, com gramado seco, time leve...talvez se Marcelo de Lima Henrique tivesse dado aquele pênalti em Conselheiro Galvão, no primeiro jogo...talvez se não tivesse expulsado o Diego Santos em Madureira...talvez. Demorei dois dias para criar coragem e escrever algo no site do clube. Mas depois, conformado, comecei a pensar. Talvez, seja melhor acreditar que não era pra ser. Pois tem coisas na vida em que as respostas são dadas mais à frente. Às vezes não entendemos o por quê de imediato, mas tudo tem um propósito. Talvez disputar uma Série D, caso haja condições, leve o Friburguense a uma série C em 2013, enquanto uma partida bastaria para eliminar o tricolor na Copa do Brasil. Talvez o troféu de campeão se quebraria em alguns dias. Mas tem troféus que o Friburguense resgatou em 2011 e não se quebram: o respeito, a dignidade, o orgulho! O retorno do Frizão à elite e ao cenário nacional representaram a reconstrução do clube. Foram as notícias positivas de Nova Friburgo na mídia nacional. Foram os motivos de sorrisos sinceros, choros soluçantes...de alegrias e tristezas...de esperança e decepções...de variados sentimentos. Estes, só mesmo o futebol é capaz de proporcionar. O melhor time da Série B e da Copa Rio não venceu. Mas e daí? O exemplo de que é possível recomeçar, reconstruir, renascer foi dado. E pelo Friburguense! Para ser vencedor, muitas vezes, não é necessário ser campeão. E sim, cumprir metas, objetivos, superar obstáculos. É ser grande por natureza e não apenas por feitos. É carregar consigo o nome de uma cidade e fazer valer um planejamento bem feito e executado. Parabéns jogadores, Siqueirinha e diretoria. Se a razão não explica a vida, quem dirá o futebol, parte dela. O Frizão voltou, com tudo...firme e forte! Dois mil e doze promete para o tricolor da serra...tem Carioca, Série D, Copa Rio. Quem sabe? Sim, talvez...

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Convenhamos...

Era de se imaginar que, uma hora ou outra, a discussão viria à tona. As comparações entre Messi e Neymar seriam inevitáveis, reforçadas pelo provével e aguardado duelo entre Barcelona e Santos no Mundial de Clubes da FIFA. A imprensa nacional, sobretudo, destaca a vantagem de Neymar sobre Messi e Cristiano Ronaldo na votação popular da Revista France Football, que elege o melhor jogador do mundo na temporada (sendo considerado o segundo prêmio mais importante nesse sentido). Pois bem...convenhamos! Vamos deixar todo e qualquer tipo de nacionalismo, simpatia e antipatia de lado. O Neymar é um grande jogador, não há dúvidas. E tem poencial para escrever seu nom entre os grandes da história, se tornar de fato um craque. No entanto...Neymar ainda NÃO é melhor que Messi. Pode vir a se tornar. Tem tudo pra isso. Mas no momento não. O jogador do Santos alterna bons e maus momentos na curta carreira, enquanto o argentino quebra recordes e mais recordes com a camisa do Braça, tanto em termos de clube quanto pessoais. O estilo de jogo é até semelhante: agressivo, talentoso, veloz. Mas Messi, hoje, é mais completo. Marca, passa, chuta, assiste, balança as redes. Neymar caminha a passos largos para chegar a seu nível. Só que seria bom dar um stop em toda essa superestimação. Ao Messi, concordo, aconteceu o mesmo. Mas o argentino é um caso raro de atleta que não deixa o sucesso subir à cabeça, respeita os superiores e está sempre em busca do aperfeiçoamento. O Neymar, sinceramente não sei se tem a mesma cabeça. Alguns antecedentes nos fazem desconfiar. Porém, não duvidar. O Neymar ainda tem que provar se será o "Neymar" até o fim ou vai virar um novo "Robinho". Vejamos...e convenhamos: Messi é melhor que o Neymar!

Alguns números de Lionel Messi

Temporada 2010 - 2011 pelo Barcelona:

Jogos: 55
Gols: 53
Assistências: 24

Carreira

Jogos: 316
Gols: 213
Assistências: 84

Alguns números de Neymar

Temporada 2011 pelo Santos:
Jogos: 42
Gols: 21

Carreira

Jogos: 154
Gols: 78

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Erros e mais erros...

No equilibrado Campeonato Brasileiro de 2011 é difícil prever quem vai ficar com a taça. No entanto, não é difícil prever que será campeão o time que errar menos. Tanto como num todo quanto dentro de uma partida. O Vasco, por exemplo, oscila pouco durante os jogos. Consegue manter uma regularidade interessante, sempre consistente, mesmo desfalcado. Sim, pois o Vasco é o time mais homogêneo do Brasil, aquele que não sente tanto a ausência dos jogadores. E isso se deve ao fato, curioso por sinal, de não ter nenhum jogador acima da média. E sim, dois ou três atletas por setor que se encaixam dentro de um esquema bem definido. Por isso, o Vasco erra pouco fora de campo - não há vaidades - e durante os 90 minutos. Por isso venceu o Bahia com extrema autoridade e lidera.

O Flamengo, por outro lado, é uma equipe totalemente dependente de Ronaldinho Gaúcho. Não ter o seu camisa 10 em campo significa uma dificuldade enorme na criação de jogadas. E podem crer que atrapalha também o sistema defensivo, por não ter quem segure a bola no ataque, crie situações que intimidem o adversário ou mesmo inflame a torcida. Som o craque e Thiago Neves, outro que pode desequilibrar, o Mengão apenas empatou com o Santos do inspiradíssimo Neymar. E se não fosse os erros da arbitragem...

Agora...erro é com a defesa do Fluminense! Muito mal arrumada, desorganizada e tecnicamente fraca. Nem a formação de Abel Braga, com três volantes, aliviou o sistema defensivo tricolor. E ainda prejudicou a criativadade do Flu, que ficou com 70% com a posse de bola no primeiro tempo e nada fez. Pelo contrário: levou dois gols de um Atlético-MG bem organizado e eficiente. Não há como negar que as ausências de Marquinho, Deco, Fred e Rafael Moura foram sentidas. Aí entra, mais uma vez, a questão da dependência...

Pois bem. Voltando à questão dos erros... o Glorioso parecia ter o jogo contra o Avaí sob controle nos primeiros minutos. Abriu o placar com Loco Abreu e tudo! Foi quando a defesa do Botafogo errou pela primeira vez e a equipe da casa alcançou o empate. Este, parece ter bagunçado um esquema aparentemente acertado, apesar da barração do Elkeson. Marcando frouxo no meio-campo, o Fogão deixou verdadeiras crateras dentro da grande e Cleverson aroveitou, marcando um golaço. No segundo tempo, um outro Botafogo. Com Léo e Elkeson nos lugares de Felipe Menezes e Herrera (que dupla!), o alvinegro ganhou consistência e velocidade. Maicouel, inspirado, infernizava a defesa avaiana. De tanto martelar, o Fogão empatou e a vitória parecia questão de tempo. Afinal, até os 38 minutos, foram pelo menos quatro chances claras de gol e um pênalti não marcado em Abreu. Foi quando Lucas, num ato irresponsável e criminoso, foi expulso. O jogo, até antão perfeito do Botafogo foi por água abaixo. E se afogou quando Robert aproveitou erro de Jéfferson para marcar o terceiro do Avaí. Erros e mais erros, que em meio a alguns acertos, podem a fazer a diferença no final das contas...

Um pouco mais: posso até errar. Mas estou a cada dia mais certo de que o Friburguense será campeão da Copa Rio. À exemplo do Vasco, o tricolor serrano oscila pouco durante as partidas e mantém uma regularidade não observada nas equipes concorrentes. De folga no fim de semana, o tricolor serrano assistiu à rodada do alto, no topo da tabela (líder do grupo F). E por lá poermaneceu com os resultados de domingo. Pelos cálculos, duas vitórias nos próximos cinco jogos serão suficientes para garantir o Frizão nas semifinais. Que assim seja...

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Frizão segue firme!

                 

E o Frizão segue firme na caminhada rumo à Copa do Brasil! No último sábado, o Friburguense goleou o Macaé por 4x2, no Eduardo Guinle, avançando na Copa Rio como o melhor time do grupo B. Acima, a matéria sobre a partida que fiz para o Esportes Tv Zoom e para o Zoom Tv Jornal. Edição de Oduvaldo Junior e imagens de Noé Tardin.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Muito / pouco...

Em um campeonato tão equilibrado como o Brasileirão, não se pode dar bobeira. Quem estava parado na esquina há dez rodadas parece retomar o rumo. Quem hoje está por cima amanhã pode cair. Não vamos esquecer de olhar pelo retrovisor, pois três cores que traduzem tradição se aproximam.

Sendo assim, o pouco pode significar muito. O Atlético-GO, por exemplo, precisou de pouco tempo, dez minutos, para fazer dois gols no Botafogo e vencer por 2x0. Aliás...pode parecer muito, mas foi pouco. O Botafogo voltou a apresentar os mesmos problemas de quando joga longe do Engenhão: apatia, marcação frouxa e inoperância. Dessa vez as peças principais não renderam. Maicosuel, Cortês, Herrera, Loco...todos muito mal! Elkeson, longe de ser brilhante, ainda tentou algo. Até Caio Jr. o substituir (???). Enfim, uma atuação abaixo da crítica do alvinegro. Sorte que dos quatro primeiros colocados ninguém venceu. Mas o empate entre Vasco e Corinthians aumentou em mais um pontinho a distância pra liderança. Pouco? Talvez, no fim das contas, seja muito...


A distância do Fluminense para os líderes parecia ser muito grande. Mas depois de boa sequência, o time de Abel Braga encosta. E agora falta pouco, seis pontinhos. Contra o Santos, um grande jogo! Neymar deu show e colocou o Peixe à frente. Mas Rafael Sóbis entrou no segundo tempo e mudou a cara do Fluminense, inclusive marcando o gol da virada. O que parecia tranquilo se complicou com a expulsão de Digão...e lá vem Marcio Rosário pro campo! E o time paulista empata aos 44 do segundo tempo! E agora? Fred? Rafael Sóbis...nãããooo...ele: Marcio Rosário, aos 50 minutos, garantiu a espetacular vitória tricolor por 3x2. O Fluzão chegou...

E chegou devido ao fato de ninguém ter disparado. Bem que o Vasco teve a chance contra o Corinthians. São Januário lotado, Felipe de volta no banco de reservas, dupla de ataque titular em campo...e Vascão na frente, gol de Dedé. Depois do empate corinthiano, a jogada forte cruzmaltina funcionou: tabela entre Fagner e Eder Luis e gol do lateral. No entanto, o Timão foi à luta e buscou a igualdade. De fato, o Corinthians ainda teve um pênalti não marcado a seu favor. E chances para vencer a partida, assim como o Vasco. Mas ficou tudo igual. A vitória, bem como a derrota, não significaria título. Poderia deixar um pouco mais próximo. No entanto, o empate por 2x2 não resolve nada e permite a aproximação de alguns...a dupla Fla-Flu que o diga...

Por falar em Fla, o que era dez jogos sem vencer se transformou em quatro partidas de invencibilidade. Uma vitória maiúscula sobre o São Paulo, 2x1, em pleno Morumbi que estava lotado para ver Luis Fabiano de volta ao tricolor! Mas os torcedores assistiram a um Flamengo bem organizado, marcando de maneira competente e que soube aproveitar a expulsão de Lucas para abrir o placar. Sofreu o empate, perdeu Willians...mas contou com a sorte em chute de Renato Abreu para vencer. Ouso dizer que Rogerio Ceni poderia ter defendido...mas como cobrar? O que ele e Felipe pegaram foi brincadeira! No fim das contas, melhor para o rubro-negro carioca, antes um pouco longe...agora muito mais perto da briga pelo título.

Um pouco mais: Muuuito quente estava em Bangu, no sábado! Nada mais nada menos que 42ºC! E um Friburguense inteligente no primeiro tempo, que contou com a estrela de Ricardinho para abrir o placar. Mas como comentamos...pouco tempo pode valer muito! E apenas 15 minutos da etapa final foram suficientes pro Bangu passar á frente no marcador. E poderia ter feito mais, desperdiçou vários contra ataques. Persistente, o tricolor de Gerson Andreotti foi buscar a virada em dois minutos: aos 40 e 42, com Bidu e Ricardinho – quinto gols do atacante em dois jogos em Moça Bonita neste ano. Vitória por 3x2 que classifica o Frizão para a próxima fase da Copa Rio. Diante do Macaé, no próximo sábado, em Nova Friburgo, a decisão do primeiro lugar do grupo B. Faltam nove jogos para a Copa do Brasil! Muito? Ou pouco?

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Swian Eterno...

                           
Minha matéria sobre a homenagem a Swian Zanoni exibida na última segunda-feira, 26 de setembro, no Zoom TV Jornal. Pequena homenagem a um grande ser humano! 
Reportagem: Vinicius Gastim
Imagens: Noe Tardin
Edição: Pablo Pais                                                                                                                             

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Heróis e Vilões...

Da glória à queda, do céu ao inferno, de herói à vilão. Tudo isso em 90 minutos. Será possível? Sim, neste esporte que é paixão mundial...o tal do futebol. E quando um tal de Botafogo entra em campo, a possibilidade de tantas antíteses parece se multiplicar. Diante do São Paulo, no Engenhão, um primeiro tempo perfeito! Impecável na marcação e competente ofensivamente, o Glorioso abriu frente na primeira etapa com dois gols de Loco Abreu, até então o herói alvinegro. Liquidada a fatura? De maneira alguma! O São Paulo voltou voando e o Botafogo parou na etapa final. O domínio tricolor era gritante, quando o Fogão teve a chance de matar o jogo nos pés de Loco Abreu, num rápido contra ataque. Mas aí..o herói virou vilão! O uruguaio perdeu gol i-na-cre-di-tá-vel! E, coincidência ou não, a pressão paulista aumentou. Então entrou em cena o herói Renan: uma defesa espetacular em cabeçada! No entanto, na mesma velocidade em que foi ao céu, desceu ao inferno. Um chute fraco, despretensioso de longe...e o substituto de Jéfferson soltou nos pés do adversário, que mandou para as redes. Daí em diante, apenas um time jogou. E podemos até discutir se foi falta ou não em Lucas, aos 45 da etapa final (acho que não foi). Mas é indiscutível que o gol de Rivaldo refletiu no placar o que foi o jogo. Ah...Rivaldo sairia como herói? Talvez, se não tivesse desperdiçado o gol da virada, aos 48, ao tentar encobrir Renan. E nesta trama envolvendo os mesmos personagens nos papéis de heróis e vilões, um empate que não resolve nada pra ninguém. E deixa um gosto amargo para os alvinegros, que estiveram tão perto da glória e sofreram, na última hora, a queda...

Cruzeiro 0x3 Vasco: E o trem bala passeou em Minas Gerais sob comando de Diego Souza! Um show do camisa 10 vascaíno, que balançou as redes três vês – e no último gol...uma pintura! O Cruzeiro pode não viver seus melhores dias – e de fato não vive. Mas não é para qualquer um vencer a Raposa em casa dessa maneira, com tamanha propriedade. É para poucos! Para quem conseguiu superar a ausência de Eder Luis e sua velocidade com inteligência. Para quem teve Juninho Pernambucano comandando o meio-campo. Para quem teve Diego Showza em dia inspirado! Para quem prova a cada rodada que o sonho de ser campeão é viável. O Vasco venceu, convenceu e abriu frente na ponta!

Flamengo 2x1 América-MG: Chega de jejum! Depois de 10 partidas sem vencer, o Flamengo derrotou o América-MG no Engenhão...ainda que sem Ronaldinho Gaucho e sem brilho! Arrisco dizer que, se o America fosse uma equipe um pouco mais qualificada, sairia do Rio de Jeneiro com os três pontos. O Coelho não aproveitou a desorganização do rubro-negro na primeira etapa. Sim...até fez um gol...mas não liquidou a fatura (não é, Kempes?). No segundo tempo, Luxemburgo mexeu e o Fla melhorou. Thomáz entrou bem, Diego Mauricio melhor ainda e o Mengão chegou à vitória de virada aos 43 minutos. Tá certo que o gol de Thiago Neves foi ilegal...mas o fato é que o Flamengo reencontrou o caminho das vitórias. Quem sabe, a partir de agora, recuperar o rumo...

Atlético-PR 1x1 Fluminense: Foi na última hora, aos 47 do segundo tempo! O Fluminense arrancou um empatezinho com o Atlético-PR, na Arena, suficiente pra manter o tricolor carioca no G-5. Poderia ter sido melhor, mas nosso querido Abel Braga tratou de complicar. Entrou em campo com três volantes e Marquinho na criação, deixando Lanzini e Deco no banco. Ah...o resultado foi um time sem criatividade alguma na primeira etapa e que saiu no lucro, com Diego Cavallieri defendo penalidade. No segundo tempo, Furacão na frente com Paulo Baier – como gosta de fazer gols em times cariocas! – e um Flu persistente, com um homem a mais durante boa parte do tempo. O gol de Fred, batendo pênalti, gerou revolta por parte dos atleticanos. Mas que houve penalidade, houve. Podemos discutir se há ou não lances semelhantes durante o jogo. E de fato há! Porém, esse lance foi visto e bem assinalado. O Fluzão agradece.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Loca Magia...

Uma vitória de respeito! Pra mostrar que o Botafogo não está para brincadeira e vai brigar pelo título. O Glorioso, forte no Engenhão, enfim conseguiu vencer longe do Rio de Janeiro. Agora 3º colocado, pode chegar ao topo no fim de semana. E com um jogo a menos. O Fogão, contudo, esteve longe de ser aquele time que parte pra cima e toma a iniciativa do jogo quando atua em casa. Pelo contrário. Na etapa inicial, foram 11 chutes ao gol de Jéfferson, enquanto o alvinegro finalizou apenas uma à meta de Victor. No entanto, a mistura de sorte e competência deu resultados no segundo tempo. A minha crítica quanto às alterações de Caio Jr. contra o Flamengo se transformam em elogios desta vez. O treinador acertou a equipe no intervalo, ao promover as entradas de Alessandro e Felipe Menezes nas vagas de Lucas e Herrera. Com a mudança na lateral, o Botafogo conseguiu bloquear a jogada forte do Grêmio, com Julio Cesar e Douglas pela esquerda. Com Felipe no meio, Elkeson passou a ocupar o lado direito e Maicosuel o esquerdo. Com isso, a bagunça no meio-campo foi organizada e o Bota equilibrou as ações. No talento de Maicosuel – uma das melhores figuras em campo - e faro de artilheiro de Loco Abreu, o time da Estrela Solitária achou o gol e foi competente para segurar o resultado. Aliás, Jéfferson mostrou porque é goleiro de Seleção...a defesa no chute de Douglas, que quase o pegou no contrapé foi brincadeira! Bem postado, apesar de alguns clarões no meio-campo, o alvinegro segurou as pontas e os pontas gaúchos, saindo do Olímpico com três pontos. Na última vez em que isso aconteceu, no ano de 1995, o Botafogo foi campeão brasileiro. Pode ser coincidência...mas se tratando de Botafogo, que ninguém duvide desta Loca Magia...

Vasco 1x1 Atlético-GO: Sim...o Vasco somou mais um ponto e se isolou na liderança, um ponto à frente do São Paulo. Mas não dá pra considerar o empate contra o Atletico-GO, em São Januário, um bom resultado. E o alerta havia sido dado...o Dragão, até então, tinha 70% de aproveitamento desde que Helio dos Anjos assumiu. Em nove jogos, o time de Goiás havia perdido apenas um e vencido cinco. Eficiência comprovada ao abrir o placar, quando o Vasco era melhor. No entanto, o gol de Diego Souza tranquilizou os quase 20 mil presentes na Colina. E pelo lado direito, em jogada de Fagner, principal opção ofensiva da equipe de Cristóvão Borges. Mas se engana quem pensa em domínio do Gigante após o empate. O segundo tempo foi lá e cá! Fernando Prass fez, pelo menos, seis defesas difíceis. No fim das contas, um resultado justo. Nem tão bom assim para o Vasco. Mas nem tão ruim.

Atlético-MG 1x1 Flamengo: Nada resolvido! O empate na Arena do Jacaré mantém o Atlético-MG na zona de rebaixamento e aumenta o jejum do Flamengo para dez jogos sem vitórias. Foi daqueles jogos em que os dois times querem vencer, mas têm medo de perder. O peso de vencer e perder é dobrado quando a pressão é grande. Por isso, um jogo truncado. O Galo saiu na frente com gol de falta. E o Flamengo acordou quando Ronaldinho Gaúcho passou a jogar. O camisa 10 fez o tento de empate e presenteou a todos que assistiam à partida com passes geniais. Num deles, o Mengão poderia ter alcançado a vitória, como no cruzamento para Leo Moura defendido brilhantemente por Renan Ribeiro. Mas a “Ronaldinho-dependência é perigosa. Muito pouco pra quem ainda sonha ser campeão brasileiro. Na próxima rodada, contra o América-MG, o Fla não terá o Gaúcho, suspenso. E agora, Luxemburgo?

Fluminense 3x1 Avaí: Dever de casa feito e vaga no G-5 assegurada. O Fluminense venceu o Avaí e voltou a mostrar organização tática, disposição e empenho. Abriu o placar com Fred rapidamente e levou um susto com semelhante rapidez, três minutos depois, quando o time visitante empatou. Passou à frente com Fred novamente. Gol irregular, é verdade. Mas que premiou a equipe que mais buscava o ataque. Ironicamente, a vantagem fez o Flu se acomodar e o Avaí incomodar. No entanto, dois personagens roubaram a cena na etapa final. O argentino Martinuccio marcou o primeiro tento com a camisa tricolor. E o passe foi de Deco, retornando após 13 rodadas afastado por lesão. O luso-brasileiro mostrou que pode ser útil a Abel Braga. E que realmente seja. Deco é ótimo jogador e pessoa de muito caráter. O Fluminense sobe...e no momento decisivo do campeonato.

Um pouco mais: E as convocações de Mano Menezes para o superclássico e amistoso contra Costa Rica e México foram anunciadas. Para enfrentar a Argentina, algumas justas lembranças como o meia Elkeson. Borges e Diego Souza vão no embalo do bom momento de suas equipes. Agora...Ralf e Paulinho...bem, deixa pra lá. Para os amistosos, Elias (Ai!), Jonas (Ui!) e Kleber, do Porto. Quem? Pois é! Sem comentários...

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Parados na esquina...

E no clássico do Engenhão...nenhuma novidade! Empate é o resultado mais comum nos últimos anos quando Flamengo e Botafogo se encontram. Desta vez, o 1x1 não serviu pra ninguém. O rubro-negro completa nove jogos sem vencer e segue fora da zona de classificação pra Libertadores. O Glorioso, por sua vez, viu o Vasco escapar um pouco e abrir quatro pontos de frente na liderança. Mas se tem um time que pode comemorar a igualdade é o de Vanderlei Luxemburgo. Sim, pois desde o início o Botafogo foi uma equipe mais organizada, apresentou padrão de jogo, linhas bem definidas e jogada forte por ambas as laterais. A movimentação de Herrera pela direita e Maicosuel pela esquerda foram as alternativas de Caio Jr. para suprir o desfalque de Elkeson. Deu certo. Sobretudo pelas boas atuações de Renato – não errou um passe sequer dos 18 que tentou na etapa inicial - e de Felipe Menezes, até o momento em que cansou. O Fogão saiu na frente com Loco Abreu – e não houve falta no lance – e poderia ter feito mais na primeira etapa, mas esbarrou num inspirado Felipe. Ah...e no futebol todos nós sabemos...um lance pode mudar a história da partida! E ele aconteceu logo no início da etapa complementar. Jael, que havia acabado de entrar, marcou um golaço e deixou tudo igual. Agora..não querendo tirar os méritos do atacante, mas não se pode tomar um drible como aquele na entrada da área! Enfim, o jogo mudou. O Flamengo cresceu e aproveitou uma inversão equivocada de Caio Jr. para forçar os lances pelo lado direito. Maicosuel, antes na esquerda, foi deslocado para a direita na tentativa de frear as subidas de Junior Cesar. Até que deu certo. No entanto, o Mago não rendeu o mesmo por aquele setor – e sabemos que ele cai de produção jogando pelo lado direito! – e liberou um Leo Moura em dia de Leo Moura, que infernizou a defesa alvinegra. A partida prosseguiu equilibrada e o Flamengo poderia ter passado à frente do marcador, não fosse Jéfferson. O goleiro da Seleção fez uma defesa sensacional em chute de Renato Abreu. Aos poucos, o Glorioso retomou o controle das ações. Porém, à exceção de um chute de Loco Abreu e cabeçada de Fabio Ferreira, não conseguiu exercer pressão e criar oportunidades. Nos bancos de reservas, duas alterações inexplicáveis. De um lado, Luxa tirou Airton para colocar Maldonado (???). Caio Jr. não ficou atrás e sacou Herrera, que fazia uma de suas melhores partidas, e mandou Everton a campo. Iguais em erros, acertos, chances e gols, Botafogo e Flamengo empataram novamente. O primeiro segue em quarto lugar. O segundo, em sexto. Ambos, parados na esquina...

Bahia 3x0 Fluminense: Um jogo para esquecer. O Fluminense não foi, nem de longe, aquele time que conseguiu uma sequência de quatro vitórias consecutivas e chegou à zona de classificação pra Libertadores, onde permaneceu ao final da rodada. Desorganizado, lento e sem marcar a saída de bola adversária, algo que foi diferencial nos últimos jogos, o tricolor carioca foi facilmente dominado pelo baiano. Mas se tem alguém que quer esquecer a tarde do dia 18 de setembro é o Gum! Cometeu um pênalti, fez um gol contra e ainda foi expulso! Sorte do Bahia, que deixa o Z-4. Azar do Fluminense – mal como um todo, não adiante culpar apenas o zagueiro – que teve a boa série interrompida. Nada demais...agora é retomar a arrancada diante do Avaí, no Engenhão. E cá entre nós: adversário ideal pra isso...

Vasco 4x0 Grêmio: O trem-bala da Colina ATROPELOU o Grêmio e chegou à Estação Liderança! Uma vitória digna de quem sonha conquistar o Brasileirão. O Vasco abriu o placar logo aos três minutos com Elton – o que sempre facilita as coisas – e levou o jogo como quis. Explorando bem o lado direito com Fagner e Eder Luis - cada um deixou sua marca – o Vascão contou com Diego Souza em dia inspirado! Ah se o camisa 10 fosse mais regular...enfim, depois de desperdiçar duas chances, o cruzmaltino chega ao topo do Brasil. Vai se manter lá em cima? Não sei, pergunta difícil de ser respondida. Então vou reformular a questão: o Vasco pode se manter lá em cima? A resposta é simples: sim! Tem time, regularidade e motivação pra isso. Segura o trem-bala, minha gente...

Um pouco mais: Num ano especial pro esporte friburguense – com o tricolor da serra de volta à elite do futebol carioca, Galhardo campeão pela Seleção Brasileira sub-20 e Edson Junior conquistando o título no MMA – uma perda irreparável. Aos 23 anos, o piloto de MotoCross Swian Zanoni nos deixa após acidente, enquanto competia no último domingo. O esporte perde um grande talento; Friburgo, um filho que nos enchia de orgulho (adotado, friburguense de coração!); e o mundo, um grande homem! Ao menos, Swian faleceu onde passou os momentos mais felizes de sua curta, porém intensa vida. Onde escreveu as mais belas páginas de sua rica história. Onde gostava, tinha prazer de estar: na pista de Motocross. O último vôo de Swian, infelizmente, não foi para a glória. E sim, para a eternidade, onde estará vivo nos corações de quem com ele conviveu, conheceu ou simplesmente o admirou. Vá com Deus, Swian!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Super...

O Superclássico foi...uma super pelada, super sem graça, super sem emoção. Que começou com a convocação de jogadores super sem sentido. Ou alguém acha que Renato Abreu tem condições de estar no grupo que vai à Copa do Mundo de 2014? Que Dedé, Ralf e Kleber, sejamos sinceros, são jogadores de Seleção Brasileira? O pior não foi incluí-los na lista, até porque Mano ficou limitado a quem atua no futebol brasileiro...e sim escalá-los! Contra uma fraquíssima Argentina, a defesa verde e amarela conseguiu se complicar. Mas não cabem só críticas. O jogo, apesar do ritmo de treino, teve seus destaques super positivos. Ronaldinho Gaúcho, Neymar e Leandro Damião...esse trio vai dar o que falar. Três jogadores talentosos que demonstram entrosamento atuando juntos. Cada um em sua faixa de campo, “um respeita o outro”. Não ficou algo bagunçado, assim como quando o Brasil joga com Robinho, Ganso, Neymar e Pato. Robinho fica preso na direita; Pato, que não é centroavante, embola pelas pontas com Robinho e Neymar. Este último, fica limitado ao setor esquerdo de ataque. E Ganso...perdido por todos estes anteriores buscarem o meio-campo. Confuso? Um pouco, assim como o esquema. Com Ronaldinho, Neymar e Damião é diferente. O atacante do Inter, homem de área nato, prende a marcação e tem presença de área. Ronaldinho Gaúcho e Neymar flutuam pelas pontas, revezando o lado. Esse trio, reforçado por Paulo Henrique Ganso ou Kaká em forma...vai dar samba! Não é difícil imaginar uma Seleção forte em 2014 com Julio Cesar, Maicon, Lucio, Thiago Silva e Marcelo; Lucas, volante à definir (Ramires e Elias não dá!) e Kaká (Ganso); Ronaldinho Gaúcho, Neymar e Leandro Damião. Sim...acho que Damião tem condições de ser o dono da camisa nove, caso Adriano não volte à boa forma – porque se o Imperador voltar a jogar o que sabe, não tem outro! No banco, opções interessantes como Lucas (do São Paulo) e Pato, por exemplo. Não quero superestimar minha confiança, mas voltei a ficar esperançoso com o futebol brasileiro...

Um pouco mais: o que foi aquela lambreta do Leandro Damião? Genial! O atacante mostra que não é apenas um homem de área. Damião tem qualidade, recursos e faro de gols. Ingredientes que Mano Menezes procura em alguém para assumir a camisa nove. O atacante foi o destaque da partida, não só pela jogada, mas pela movimentação. Como comentei acima, encaixou bem taticamente com Ronaldinho e Neymar. Parece que a Seleção começa a ganhar um corpo...e já estava na hora! “Brasil, mostra tua cara...”

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Independência...ou morte!

A tarde de sete de setembro foi pra lá de especial para o Botafogo. Engenhão lotado - 42 mil pessoas presentes, festa belíssima da torcida alvinegra e vitória tranquila sobre o Ceará, 4x0. E se eu escrevi tranquila não foi à toa. Acontece que o Fogão produziu pra isso, não complicou. Abriu o placar cedo, é verdade, com gol de Herrera e controlou a partida como quis. A expulsão do zagueiro adversário, logicamente, facilitou as coisas. Mas não diminui os méritos de um time que se mostra pronto para brigar pelo título. O detalhe que chama a atenção é o bom desempenho do lado esquerdo, mesmo com a ausência de Cortês. Se não foi excepcional, Marcio Azevedo (apesar do chilique ao ser substituído) não comprometeu. Elkeson jogou um pouco mais aberto pelo setor, até a entrada do Everton. Este, aliás, reapareceu muito bem e cruzou com precisão para o gol de Cidinho. Do outro lado, um Lucas em evolução, mais seguro e Maicosuel voltando a justificar a idolatria e o apelido de Mago. Aliás, a jogada do terceiro gol foi uma pintura! E contou com a participação da dupla e de Elkeson, caindo àquela altura mais pelo meio do campo. O Botafogo de Caio Jr. tem padrão tático, joga bonito e empolga! No entanto, precisa provar que é forte como visitante, onde venceu três (sendo uma no próprio Engenhão, mando do Fluminense), empatou outras três e perdeu quatro. O Coritiba, no Couto Pereira, é um adversário à altura do desafio. Para a Estrela Solitária chegar ao título, é preciso Independência do Engenhão! Ou morte...

Cruzeiro 1x2 Fluminense: E o tricolor carioca fez a trinca! Foi a vitória de um time bem armado, em fase ascendente contra uma raposa que caiu demais de produção. Longe de ser brilhante, o Fluminense busca um importante ingrediente para encaixar as peças e engrenar: a confiança. E ela vem com uma sequência de bons resultados. O discurso mudou e o assunto no clube é Libertadores. Título! O Flu está a apenas dois pontos da zona de classificação pra principal competição das Américas e já deixou o Palmeiras para trás. No domingo, o duelo contra o líder Corinthians, no Engenhão. Se vencer, não sei não. O Fluminense vai brigar lá em cima... 

Vasco 2x0 Coritiba: Dever de casa cumprido. Se não foi brilhante – e de fato não foi, o Vasco contou com o talento de um jogador que assinou para ganhar um salário mínimo no clube. Que tem 36 anos, mas parece um garoto! Sobretudo, alguém que ama o Vasco. Claro que estou falando de Juninho Pernambucano, autor de belo gol de falta e do cruzamento para o tento de Romulo. O time da Colina encontrou um Coritiba bem armado e teve dificuldades para criar, se impor. Ficou limitado ao lado direito, com Fagner e Eder Luis. Enquanto na esquerda...Jumar conseguiu errar 12 passes durante a partida! Ainda sim, o Vascão fez mais uma vítima em São Januário e segue firme na luta pelo título. A Caravela navega por águas calmas...

Corinthians 2x1 Flamengo: ...ao contrário do maior rival, o Flamengo. No jogo em que se destacaram os ex-jogadores – Deivid e Felipe (ex-Corinthians) pelo Fla e Liedson (ex-Fla) pelo Timão, a estrela que mais brilhou foi a do luso-brasileiro. Autor de dois gols, Liedson fez a diferença e garantiu a vitória paulista de virada. O momento do Mengão não é fácil. As peças – entre elas, algumas fundamentais como Leo Moura, Willians e Thiago Neves – caíram de rendimento. E a defesa rubro-negra...vou te contar! O Fla vencia a partida – apesar do esquema extremamente defensivo, Felipe operava milagres e os cariocas levavam no peito e na raça. Aí...uma cobrança de lateral e bola mal afastada mudaram os rumos da partida. O Timão cresceu, pressionou e encontrou o gol da vitória no talento de Liedson. De fato, Luxemburgo enfrenta problemas na hora de escalar o sistema defensivo. Sem Alex Silva, Airton e Luiz Antonio, teve de antecipar o retorno de Maldonado e recolocar Welinton na zaga (porque Angelim não suporta mais uma sequência de partidas, verdade é essa). O soco covarde de Gustavo deve tirá-lo de cena por alguns jogos e aumentar a dor de cabeça do treinador. Enquanto isso, o Flamengo se distancia da liderança – a diferença já está em sete pontos – e vive a pressão pela reação, antes que seja tarde. É preciso inovar, recriar a tática que está desgastada pelo fraco desempenho individual. O Flamengo tem time e tempo. Mas este último não pára...

Um pouco mais: CURTINHAS:

- O basquete brasileiro parece que, enfim, voltará a disputar as Olimpíadas depois de 16 anos - quatro edições. O bom trabalho de Magnano reflete dentro das quadras, com campanha impecável no Pré-Olímpico até o momento. Passamos por cima dos hermanos e temos a Republica Dominicana como último obstáculo até Londres 2012...vamos Brasil!

- Na Fórmula 1, contagem regressiva para o título de Sebastian Vettel. Apenas três vitórias bastam para o alemão conquistar o mundial de pilotos por antecipação, independente de qualquer outro resultado. Falar mais o que?

- Neste sábado, tem Friburguense e Bangu no Eduardo Guinle. E se existe um time que pode dizer, de fato, que joga em casa, é o Frizão! Lá se vão 507 dias sem perder jogos oficiais na serra...a última derrota aconteceu exatamente para o Bangu, 2x0 em 20 de março de 2010. Sai pra lá, zebra alvirrubra...

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Com o pé...esquerdo!

                                   

Uma estréia com o pé direito! Ou esquerdo de Jorge Luiz? Sob comando do camisa 10, o Friburguense deu o primeiro passo rumo à Copa do Brasil. A vitória por 3x1 sobre a Cabofriense, no Alair Corrêa, foi para não deixar dúvidas quanto às pretensões do tricolor serrano na Copa Rio: vai brigar pelo título! Um time bem armado, com padrão de jogo e qualidade individual. Grande nome da partida, Jorge Luiz abriu o placar em bela cobrança de falta. O empate do time mandante aconteceu após infelicidade de Adilson...coisas do futebol! O garoto de Barretos é excelente goleiro e mostrou isso no decorrer da partida, com belas defesas. Depois do empate, a Cabofriense cresceu e equilibrou as ações, explorando o lado direito de ataque (esquerdo de defesa do Fri, onde Victor Hugo está improvisado). Pois Gerson Andreotti percebeu. E tirou Victor Hugo - por questões táticas, mas também físicas - e promoveu a entrada de Marquinhos. Lucas foi deslocado para a lateral e...pronto! o tricolor conseguiu anular o ponto forte do adversário e não perdeu em qualidade no meio-campo, já que Marquinhos - como sempre - entrou muito bem. A vitória do Friburguense foi selada com gols de Bidu e Ricardo. Uma atuação inteligente, correta e segura do Frizão. Uma equipe compacta, que sabe bem o que quer com a bola nos pés. E olha que ainda tem Crispin, Washington (guardem esse nome e depois me cobrem) e Davi como opções para reforçar o tricolor da serra. Pelo visto - é possível sonhar - o troféu, objeto que faltou na brilhante campanha de retorno à elite, pode vir para coroar o sucesso de uma nova jornada de retorno. Desta vez, ao cenário do futebol nacional.

Um pouco mais: e a Seleção Brasileira? Tá certo que foi só um amistoso, Gana jogou com um homem a menos durante todo o segundo tempo e tudo mais. No entanto, alguns pontos positivos puderam ser observados. A lateral-esquerda, por exemplo, tem dono. É Marcelo e ponto final. A camisa nove também...pode ter encontrado o manequim ideal: Leandro Damião! Tem presença de área, sabe jogar e parece ser o centroavante que Mano Menezes tanto procura - e não é o Pato! Ah...mas o grande destaque foi Ronaldinho Gaúcho. Joga muito! E o mais importante: está motivado. Quando misturamos talento e motivação, o resultado é satisfatório. Se mantiver o nível, Ronaldinho Gaúcho é o camisa 10 da Seleção Brasileira. E olha que nem precisou jogar taaanto assim pra mudar a cara do Brasil...

domingo, 4 de setembro de 2011

Será que Sóbis?

Oito minutos que podem valer por todo o campeonato. O Fluminense perdia por 2x0 para o Atlético-GO e conseguiu virada espetacular! E olha que o time goiano vinha de cinco vitórias consecutivas - duas delas contra Santos e Flamengo, de forma convicente. O Dragão demonstrou eficiência e conseguiu a boa vantagem. O Flu, por sua vez, foi um retrato de sua campanha até o momento: um time que oscila bons e maus momentos. Depois de perder pênalti, em cobrança de Rafael Moura, a pressão da torcida que já é grande - justamente pela irregularidade - aumentou. Vaias à Souza e Abel. Mas acontece que este mesmo time irregular e pressionado, tem recursos. Tem jogadores de qualidade. Tem Rafael Sóbis, autor de dois gols. E a estrela de Rafael Moura, que marcou o tento da virada - irregular, é verdade...mas merecido pela reação tricolor. Esta pode ter sido a vitória do retorno. Sim...retorno da confiança! O Fluminense tem time e tempo pra reagir no campeonato. Talvez falte o encaixe, uma sequência de bons resultados. Que pode ter iniciado no sábado. Será que agora Sóbis?

Flamengo 1x3 Bahia: o Bonde perdeu o Freio e vai desgovernado ladeira abaixo! Seis jogos sem vencer...seis jogos sem convencer. Antes de tudo, neste domingo, méritos para o Bahia. Um time experiente, bem armado - mesmo sem treinador - e que sabe se comportar fora de casa, quando utiliza os contra ataques. E soube explorar uma defesa sofrível nas bolas aérea...um Flamengo desorganizado, sem criatividade...e sem Ronalinho Gaúcho! não foi pela ausência do craque que o Fla perdeu. Mas foi por não tê-lo que pode ter deixado de vencer. Em um lance, Ronaldinho pode mudar os rumos de uma partida, algo que o rubro-negro não teve contra os goianos. E é a esperança pra recolocar o Bonde nos trilhos. Até porque não há nada perdido...pelo contrário! E na quinta tem Fla x Timão. Pacaembú vai ficar pequeno...

América-MG 4x1 Vasco: uma tarde para se esquecer! Diante do lanterna, o Vasco esteve irreconhecível! A defesa, com Renato Silva e Victor Ramos, totalmente desentrosada e fora de ritmo. O Fagner em dia péssimo! mal na defesa e inoperante no ataque. Com isso, o Vasco perde o lado direit, o mais forte ofensivamente...ainda mais com Eder Luis em dia ruim....e Diego Souza, na outra ponta, apenas com lampejos em alguns momentos. Muito pouco para de quem se espera a jogada diferente. Nada capaz de assustar. O Vasco segue na briga pelo título...e os resultados da rodada ajudaram! Mas claro..pensar que podería ser líder nesta rodada deixa um gostinho amargo..

Um pouco mais: e mais uma vez...o Botafogo sai vitorioso da rodada! Mesmo sem jogar, o alvinegro foi beneficiado por uma rodada quase perfeita. Dos cinco primeiros colocados, apenas o São Paulo venceu. O Fogão permanece a apenas três pontos do líder Corinthians...e com um jogo a menos! No meio de toda essa história, um motivo para lamentar...so o Botafogo joga e vence o Santos nesse fim de semana, seria líder. E olha que teríamos um Bota embalado pra cima de um Santos pressionado e desfalcado de seus craques, Neymar e Ganso. Não é difícil visualizar uma vitória carioca. Difícil mesmo é entender o critério da CBF para adiar as partidas do Santos e ignorar outros clubes. Ronaldinho Gaúcho e Dedé fizeram falta a Fla e Vasco. Lamentável...

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Brasil Tricolor

Uma nova jornada terá início. Depois de concluir com sucesso a missão de retornar à elite do futebol carioca e devolver parte da auto-estima à Nova Friburgo, o Friburguense busca vôos maiores. Desta vez, a caminhada não será tão longa como no estadual. No entanto, tão importante quanto. O título da Copa Rio significaria a volta ao cenário do futebol nacional.

A edição de 2011 terá a participação de 17 equipes, divididas em um grupo de cinco e outros três compostos por quatro equipes. Avançam para a fase seguinte, quando serão formados dois grupos de quatro equipes, os dois melhores de cada chave. Na sequência, campeão e vice se enfrentam nas semifinais. Confira os grupo da Copa Rio:

Grupo A: Bonsucesso, São João da Barra, Volta Redonda, Resende e Boavista

Grupo B: Friburguense, Cabofriense,Bangu, Macaé

Grupo C: Audax, Americano, Olaria e Serra Macaense

Grupo D: America, Madureira, Nova Iguaçu e Duque de Caxias

No grupo B, o Friburguense estréia neste sábado, fora de casa. O tricolor vai ao Alair Correa encarar a Cabofriense, às 15 horas (com cobertura do site oficial, direto do Correão). O primeiro passo de um novo desafio, que pode levar o Frizão à disputa da Copa do Brasil.


Andreotti teve pouco menos de um mês para preparar a equipe

Base do carioca mantida

"Em time que está ganhando, não se mexe". A famosa frase do mundo do futebol inspirou a diretoria do Friburguense na montagem do elenco. A maioria do grupo que reconduziu o tricolor à primeira divisão foi mantido e reforços contratados para suprir algumas perdas. Romulo, Zambi e Flavinho deixaram o clube. Os meias Davi e Washington, ex-America-MG e Carapebus, respectivamente, foram contratados. O lateral Crispin e o meia Victor Hugo, com passagens pelo Frizão em 2009 e 2010, retornam. Das divisões de base, novos nomes surgem para integrar o grupo. Os experientes Cadão, Sergio Gomes, Bidu e Ziquinha, bem como Lucas, o melhor volante da série B, continuam na equipe.

Estes são os guerreiros que tentarão levar o Friburguense de volta à Copa do Brasil:

Goleiros: Marcos, Adilson e Afonso

Laterais: Sergio Gomes, Crispin, Davi, Waguinho e Heitor

Zagueiros: Cadão, Diego Guerra e Evair

Volantes: Bidu, Lucas e Leomir

Meias: Jorge Luiz, Marcelo, Marquinhos, Victor Hugo, Washington e Davi

Atacantes: Ricardinho, Diego, Ricardo, Ziquinha, Paulo Roberto e Renato

Time base: Adilson, Sergio Gomes, Cadão, Diego Guerra e Victor Hugo; Bidu, Lucas, Marcelo e Jorge Luiz; Ricardinho e Diego.

Washington, autor de 15 gols no carioca série C pelo Carapebus. Muito prazer, Frizão!:



Mineirinho, Davi vem para contribuir com o tricolor serrano:



No banco de reservas, a experiência e serenidade de quem ainda está invicto no comando do Friburguense. Gerson Andreotti continua no comando do tricolor serrano e se diz preparado para o novo desafio.

"Estamos prontos e motivados. Sempre digo que é bom levantarmos para trabalhar com prazer. Estou muito feliz no Friburguense e temos o projeto de levar o clube de volta à Copa do Brasil".

Um mês de preparação e dois amistosos

Após conquistar o acesso à elite, o time de guerreiros ganhou dez dias de folga. De volta aos treinos, o Friburguense teve pouco menos de um mês de preparação para a Copa Rio. Em meio à rotina de treinos intensos, o tricolor disputou dois amistosos. Contra o Olaria, na Rua Bariri, empate por 1x1. No replay da última rodada do carioca, 2x0 sobre o Serra Macaense no Eduardo Guinle.

Eduardo Guinle, a grande arma do Frizão

Neste sábado, o Friburguense completa 500 dias sem perder no Eduardo Guinle, considerando os jogos oficiais. A marca representa o resgate da força do tricolor na serra, fundamental para a conquista do acesso. Desde 20 de março de 2010, quando foi derrotado pela última vez casa (2x0 para o Bangu, pelo carioca), foram 28 jogos disputados. O Frizão venceu 20 partidas e empatou oito no período. O apoio da torcida, assim como no campeonato carioca, pode ser o diferencial.

O novo desafio está lançado. Quem sabe não veremos o azul, vermelho e branco brilhando novamente pelos gramados do Brasil em 2012? Que ninguém duvide dos nossos guerreiros...

domingo, 28 de agosto de 2011

Dois cruzados e...Nocaute!

Não diria que demorou...mas Caio Junior testou, mexeu, não gostou, insistiu. Tentou mais uma vez, pediu reforços, acreditou em que já estava lá e agora sim! O treinador parece ter encontrado a formação ideal para o Botafogo. No clássico contra o Fluminense, a vitória do futebol moderno contra o conservador, o previsível. Sim...ou alguém não sabia que o Abel colocaria o Ciro no lugar do Souza? Ou que a defesa tricolor, principalmente no lado esquerdo, não existe? Parece que Abelão ainda não percebeu e insiste com Marcio Rosario. Carlinhos, lateral ofensivo, não tem cobertura tampouco reforço na marcação. Foi por ali que o Botafogo ganhou o jogo. E tudo em  apenas oito minutos. Depois de um primeiro tempo com muitos erros e excesso de preciosismo do lado alvinegro, ligeiramente superior, a etapa final comçou com tudo. Ou melhor...o Fluminense começou com tudo e o Botafogo bem devagar. Por isso, num cochilo do Herrera, Fred subiu sozinho e colocou o Fluzão em vantagem após cobrança de escanteio. Aliás, a bola aérea é a única opção realmente eficiente deste Fluminense. O gol tricolor parece ter despertado as feras alvinegras. E bem ao estilo UFC, bastaram dois cruzados para derrubar o adversário. O primeiro golpe foi do melhor e mais regular jogador do Botafogo no Brasileirão, candidatíssimo a craque e revelação do torneio: Elkeson. O camisa nove recebeu na direita (lado esquerdo de defesa do Flu, vejam só...), passou como foguete por dois marcadores e bateu cruzado de canhota para empatar, um minuto mais tarde. Pouco tempo depois, o golpe final. Escanteio para o Fluminense; Jéfferson sai do gol, encaixa e liga contra-ataque com....Loco Abreu! E o uruguaio, a passos largos, conduz até a entrada da área, quando rolou para Lucas, livre, na direita (faço questão de reescrever: esquerda de defesa do Flu). O lateral mandou o segundo cruzado no canto de Cavallieri: virada alvinegra em sete minutos. O Fluminense, desorganizado, tentou reagir na base das bolas alçadas à grande área. No entanto, a defesa alvinegra se manteve firme e bloqueou as tentativas do atual campeão brasileiro. Apostando nos contra-golpes, o Glorioso teve lá uma chance ou outra pra matar o jogo...uma com Elkeson, outra com Cidinho. Mas não precisou. Estava escrito nas Estrelas que na noite de sábado apenas a Solitária brilharia, soberana, sob comando de Elkeson. Depois do nocaute, o Fogão termina o turno próximo aos líderes e começa a sonhar de verdade...

Um pouco mais: Este será o um pouco mais do como:

- Como joga bola o tal do Renato! Pouco aparece pra torcida, mas não erra passes, tem um senso de cobertura e posicionamento incomuns;

- Como melhorou de rendimento o Maicosuel! Aos poucos, volta a ser o Mago que a galera alvinegra conhece.

- Como é ruim o tal do Marcio Rosário! O que o Abel Braga vê nesse jogador? Ou não consegue exergar?

- Como o Brasil tem dificuldades pra vencer os EUA no vôlei! Nova derrota no Grand Prix feminino, logo na decisão....uma pena!

- Como  luta o tal do Anderson Silva! Uma vitória soberana, tranquila e humilhante sobre Okami. O Spider abriu a guarda para o japonês bater e definiu a luta na hora que quis! Pois Anderson provou que está um passo à frente de seus rivais no UFC.

- Como é bom, para nós friburguenses, poder ter no esporte motivos para nos orgulharmos (já que na política...sem comentários!). Depois do Galhardo, foi a vez de Edson Barbosa, o Juninho, levar o nome de Nova Friburgo para o mundo de maneira positiva! Juninho derrotou o difícil Pearson, por pontos, no UFC. E fez questão de lembrar da família, do Botafogo - quantas vezes já fui ao Caio Martins com o Edson, grande garoto! - e da cidade. Pois aqui perto de casa, na RuaFolly (onde foi criado), foi possível ouvir os fogos durante toda a noite! O lutador vem de família humilde e não esquece as suas raízes. Parabéns Juninho! E como diz a tatuagem que carrega na cintura ( e que me mostrou, me lembro bem, um dia após ter feito...): "A luta continua!"

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O fator RG


No futebol, a palavra equilíbrio pode ter várias interpretações. Os treinadores, por exemplo, buscam o equilíbrio entre os setores de suas equipes para montar um time forte e compacto. Quando um jogo é equilibrado, subentendemos que os rivais estão jogando no mesmo nível. Ambas as definições se encaixam no Flamengo de Vanderlei Luxemburgo. Depois de inúmeras tentativas, Luxa achou a formação ideal para o rubro-negro, o tal do equilíbrio. Na Arena da Baixada, diante do Atlético-PR, o Mengão poupou diversos titulares e ainda sim mostrou encaixe. Atuou de forma segura na defesa e conseguiu criar situações de gol no ataque. Aliás, chamo a atenção para dois jogadores. O primeiro, Gustavo. O zagueiro, contratado junto ao Boavista, foi bem novamente e dá sinais de que vai brigar pela posição de titular. Opinião minha: a dupla ideal é Gustavo e Alex Silva, este cada vez mais seguro e entrosado. O outro destaque é negativo. Ah Jael...desta vez, realmente, foi muito cruel com o torcedor do Fla. O atacante esteve em noite de Deivid e desperdiçou duas chances incríveis! E aí entra um prefixo que no futebol, ao contrário da forma como é empregada na maioria dos casos em nossa língua, possui significado extremamente positivo: o desequilíbrio. No caso do Flamengo, o sinônimo de desequilíbrio é Ronaldinho Gaúcho! E olha que desta vez o camisa 10 não precisou de um lance genial para decidir. Apenas uma oportunidade, estar no lugar certo, na hora exata. Oportunismo este que acompanha a boa fase do craque. E leva o Mengo às vitórias, a quebrar tabus como nunca ter vencido na Arena da Baixada ou passado da primeira fase na Sul-Americana. Gol fácil, não é verdade? Sim...mas por que Jael não fez, em duas ocasiões tão simples quanto? A diferença está exatamente nesses detalhes, no simples. Ronaldinho Gaúcho sabe fazer o simples como poucos. Ou tornar simples o que parece difícil para muitos. Motivado e jogando de forma mais objetiva que no início do ano, mostra o motivo pelo qual retorna à Seleção Brasileira. Ponto de desequilíbrio no Flamengo, o Fator RG pode representar o equilíbrio que Mano Menezes procura...

Um pouco mais: Sorteados os grupos da Champions League, desta vez sem “grupo da morte”, uma rápida análise e palpites:

Grupo A: Bayern de Munique, Napoli, Villareal e Manchester City:
O mais equilibrado de todos. Passam Bayern de Munique (tradição!) e City (R$...rs)

Grupo B: Inter de Milão, CSKA, Lille e Trabzonpor:
Inter, logicamente, e Lille...vou apostar nos franceses!

Grupo C: Manchester United, Benfica, Basel e Otelul Galati:
Fácil para United e Benfica...qualquer outro resultado é zebra!

Grupo D: Real Madrid, Lyon, Ajax e Dinamo Zagreb:
Vou de Real e Lyon...o Ajax não é mais aquele dos anos 90...

Grupo E: Chelsea, Valencia, Bayer Leverkusen e Genk:
Passam Chelsea e Leverkusen...futebol alemão em franco crescimento!

Grupo F: Arsenal, Olympique de Marselle, Olympiacos e Borussia Dortmund
Assim como na chave anterior, aposto nos ingleses e alemães: Arsenal e Borussia

Grupo G: Porto, Shaktar Donetsk, Zenit e Apoel
Soberano, Porto avança junto com o Shaktar

Grupo H: Barcelona, Milan, BATE Borisov e Viktoria Plzen
Esse é moleza de apostar...dois gigantes do futebol mundial contra duas equipes sem expressão...é Barça e Milan!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Verdadeiro Gol de Placa...

                                       

Hoje, o Futebol e um pouco mais abre espaço para mostrar um exemplo do poder de tranformação e inclusão social do esporte. No vídeo, a matéria sobre a 3ª edição da Copa Chico Faria, que fiz para o Esportes TV Zoom e para o Zoom TV Jornal, ambos exibidos nesta segunda-feira, 22. As imagens são de Brian Azevedo e a edição do graaande Oduvaldo Junior.

domingo, 21 de agosto de 2011

Estrelas Solidárias...

Duas estrelas juntas pela solidariedade. Um evento memorável neste domingo, 21, no Friburguense, marcou as doações de eletrodométicos às vítimas da tragédia de janeiro em  Nova Friburgo. As geladeiras e fogões foram compradas com o dinheiro que restou da renda do amistoso entre Frizão e Fogão, em oito de maio. Destaque para a presença do presidente alvinegro, Maurício Assumpção, que jogou pelada e tudo no campo de grama sintética. As duas paixões deste que vos escreve, juntas, em prol da Nossa Friburgo. Este primeiro vídeo ajuda a explicar um pouco do que é torcer pelo Botafogo. Ao tocar o hino do clube durante o churrasco de confraternização, os alvinegros, emocionados, cantaram junto. Mas a emoção de um torcedor, que teve o privilégio de ver Garrincha, Nilton Santos e tantos outros, chamou a atenção e comoveu até mesmo Maurício Assumpção. Quem assistir e for botafoguense, vai saber do que estou falando. Quem não for...bem. Azar de que não segue a Estrela Solitária, JAMAIS vai compreender...

                                      

Nesta entrevista exclusiva que fiz - vai ao ar no site do Friburguense em brave - Maurício comnenta à respeito do evento e sobre a causa, destacando o vículo e carinho pessoal com  Nova Friburgo:

                                     

E claro...não poderia faltar o discurso. Fala Presidente!

                                      

Um dia histórico para o Friburguense, para Nova Friburgo e para cada um dos alvinegros presentes ao evento. Para mim, uma oportunidade única, extremamente gratificante...uma mistura de paixão e profissionalismo, envolvendo as duas estrelas que guiam o meu coração...

Raul, Maurício e eu: ao lado dos presidentes de Friburguense e Botafogo

sábado, 20 de agosto de 2011

Fogão aceso!

Esse sim, de fato, é o Botafogo que pode sonhar com  objetivos maiores no Campeonato Brasileiro. Um time que vibra, corre os 90 minutos e mostra ter peças de reposição à altura de importantes desfalques, casos de Loco Abreu e Herrera. No Glorioso de Caio Junior, no entanto, há um jogador insubstituível: Elkeson. Completo, é o atilheiro da equipe no Brasileirão, o que mais sofre faltas, mais finaliza e rouba bolas. Contra o Galo, o camisa nove abriu caminho para a vitória por 3x1 em cabeçada certeira. O detalhe do lance foi a boa participação dos dois laterais: começou com Cortês, na esquerda e chegou a Lucas. Este, colocou com precisão para Elkeson marcar. Que o treinador não volte com Alessandro nas próximas partidas! O Lucas precisa de uma sequência para se firmar. Voltando ao jogo, o Gloriosomarcou e atacou com precisão. Prova disso é o fato de o Atlético ter ficado mais tempo com a bola e não levar perigo. O Fogão foi eficiente em todos os setores, contou com jogadores em dia inspirado e outros que começam a mostrar qualidade. Me refiro a Felipe Menezes, especificamente. Não só pelos dois gols, que já seriam o suficiente para merecer destaque - até porque foram marcados com a perna esquerda, a "ruim" do meia. Pois Felipe, enquanto teve fôlego, distribuiu bemas jogadas e articulou o meio-campo. Possui bom passe e ótima capacidade de finalização, algo que demonstrou no segundo tento do Bota. Assim que adquirir o ritmo ideal, vai se tornar peça importante do elenco alvinegro. Quem também chamou a atenção foi Maicosuel, ao realizar seu melhor jogo desde que voltou de contusão. Caindo pela esquerda e direita, revezando com Elkeson, o Mago foi um tormento constante para a defesa adversária. Dos pés dele, o passe para Alex fazer o trabalho de pivô e ajeitar para Felipe Menezes: 3x0 Fogão. Escrever que Cortês foi bem, Antônio Carlos foi seguro e Jéfferson impecável seria redundância. Também não é novidade a participação fundamental do Renato. O volante é daqueles que não aparece pra torcida. E eu respondo o motivo: dificilmente erra. Faz o simples e muito bem feito. A jogada que nos pés de um outro qualquer seria chutão, com Renato vira passe...e assim o jogo flui. E contra a equipe de Cuca fluiu porque o Botafogo mostrou disposição. Não teve bola perdida. Toda a vibração que faltou diante do Internacional sobrou ao time da Estrela Solitária neste sábado. O desafio é manter essa regularidade. Até porque, se observarmos, o alvinegro se mantém na parte de cima da tabela desde o início do campeonato. Os apagões é que não permitem uma arrancada e maior aproximação. A diferença, porém, é de apenas seis pontos para o líder Corinthians. O Fogão tá aceso...

Um pouco mais: Quando escrevi aqui e comentei na rádio que o Flamengo só perde o título para ele mesmo, me referi exatamente à regularidade que o rubro-negro tem, apesar da goleada sofrida para o Atlético-GO; que Botafogo e São Paulo buscam; que o Vasco esboça conseguir e que o Corinthians parece não ter. O time de Tite não inspira confiança. Não estou tirando os méritos do Figueirense pela vitória por 2x0 em pleno Pacaembú. Pelo contrário...Jorginho deu uma verdadeira aula de tática em Tite. Mas a impressão é que este tipo de surpresa é muito mais plausível de acontecer com  o Timão do que com o Mengão. Até por isso, o Corinthians busca uma nova formação...as últimas atuações não foram convincentes. Com dois armadores na equipe, Tite abre mão da velocidade e perde mobilidade. Na primeira tentativa, não deu certo. Pode ser que esteja enganado, é apenas uma opinião...mas os fatos me dão razão!

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Antes fosse uma zebra...

E o Engenhão viveu mais uma noite de apagão. Desta vez, não foi queda de energia... e sim de uma invencibilidade que durou 16 partidas no campeonato brasileiro. Foi daqueles jogos em que nada dá certo e o adversário acerta tudo o que tenta. O resultado? Atlético-GO 4 a 1 no Flamengo, em pleno Rio de Janeiro. No jogo dos muitos erros, uma vitória inapelável e incontestável do time goiano, que já vinha de um resultado e atuação fantásticos contra o Santos. Antes fosse uma zebra... o Dragão foi quem passeou no Engenhão! Quando me refiro a erros, começo pela escalação do Flamengo. Ora... o Mengão brigando pelo título, jogando em casa e contra um adversário que, sabidamente, viria retrancado. Ainda assim, Luxemburgo incorporou Joel Santana e colocou em campo três zagueiros, dois volantes e apenas um atacante. Até entendi, a intenção era liberar os laterais. Mas acontece que o Flamengo não está acostumado a jogar dessa forma! Pra que mudar um esquema que vem dando tão certo? E outra, cá entre nós: o Leo Moura já não é mais o mesmo. Enfim... quem conhece futebol sabe que encher o time de defensores não é garantia de segurança. Pelo contrário, pode até atrapalhar o sitema defensivo. Ontem, por exemplo, a defesa do Flamengo, mal arrumada, bateu cabeça o tempo todo. E ainda contou com Felipe numa noite para esquecer! Fatores que se somam às ausências de Renato e Ronaldinho Gaúcho. Não tem como discordar que o autor de nove gols e sete assistências, destaque do time mais regular do Brasil fez falta. Faria a qualquer equipe. E, na atual fase do Thiago Neves – sem aquele mesmo brilho do início da temporada, não ter Ronaldinho em campo significa ausência de criatividade. De um modo geral, o desfalque do Gaúcho representa a falta daquele de quem se espera o lance diferente, que muda os rumos de uma partida. Falando em rumo, o rubro-negro segue na direção certa. Claro...uma derrota deste porte, em casa e para um time sem tanta expressão machuca. É, até certo ponto, humilhante. Mas vale lembrar que é apenas a segunda do Flamengo no ano. O Mengão ainda é vice-líder e está a três pontos do Corinthians. Volto a dizer: na minha visão, Vinicius Gastin, o Fla só perde o título pra ele mesmo. É o time mais regular e confiável do Brasil. E tem Ronaldinho Gaúcho, o melhor jogador brasileiro em atividade no momento...ou alguém consegue me apontar outro?

Um pouco mais: Até por isso, fui totalmente favorável à convocação de Ronaldinho para a Seleção Brasileira, como comentei no post anterior. Quanto às insinuações de que Mano Menezes estaria querendo prejudicar o Flamengo e beneficiar o Corinthians, sinceramente não acredito. Até porque o maior lesado foi o Santos – que teve Neymar, Ganso e Danilo convocados. Aí questionam: "mas o Santos não briga pelo título". Verdade...mas terá um Mundial pela frente no fim do ano. E se o Neymar, por exemplo, sofre uma lesão grave em um desses amistosos? O Botafogo perdeu Jéfferson, o Vasco não vai contar com Dedé, o Inter com Leandro Damião, o Cruzeiro com Fábio...e por aí vai. O problema está no planejamento e montagem do calendário. Um erro não justifica o outro. E sim, prejudica. A CBF desvaloriza seu próprio produto, o Brasileirão, por conta de um erro próprio. Na hora da convocação, os melhores devem ser chamados. Até porque a pressão por resultados é grande, e os mesmos que criticam as convocações irão criticar mais um tropeço da Seleção de Mano Menezes, caso ocorra. Não seria ingênuo de acreditar que não existem interesses de terceiros envolvidos em toda esta situação. No entanto, existe a minha vontade e a de muitos brasileiros em ver um time forte novamente vestindo a amarelinha...

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Fogão sem chama...

De fato, faltou muita coisa ao Botafogo contra o Internacional. Faltou a força e a velocidade de Elkeson aberto pela direita, setor inoperante ofensivamente contra o Colorado – e por onde, curiosamente, o Botafogo insistiu em forçar as jogadas com o Alessandro. Não entendi por que o Cortês foi tão pouco explorado, apenas nos minutos iniciais de partida...mas enfim. Faltou a referência, a presença, a experiência e liderança de Loco Abreu. Os diversos cruzamentos à área do Inter não encontraram o destino desejado. Outros tantos não foram executados exatamente pela ausência do uruguaio. E como foi que o time gaúcho conseguiu a vitória? Bola aérea, Leandro Damião. O diferencial que o Botafogo não tinha. Jogadores deste nível fazem falta a qualquer equipe, ninguém pode negar. Mas na derrota por 1x0, faltou um detalhe fundamental ao alvinegro de Caio Junior, especialmente quando se tem um grande prejuízo na parte técnica: VONTADE! O Botafogo foi um time apático, sem vibração e que se limitou à bola na trave em finalização de Alex – apagaaaado... no mais, o Internacional não precisou jogar muito para sair vitorioso. Isso porque o Glorioso não exigiu nada além do que foi feito pela equipe de Dorival Junior. Depois de uma atuação como esta, abaixo da crítica, começam os questionamentos sobre até onde o time da estrela solitária pode chegar. Até que ponto é confiável? Com toda esta irregularidade, o Botafogo de jogos memoráveis contra Vasco e São Paulo e pífios contra Atlético-GO e Inter, não vai ter fôlego para brigar pelo título. Em meio ao otimismo e apagões, assistimos no Beira-Rio a um Fogão sem garra, disposição, sem aquela chama...

Avaí 0x2 Vasco: Se não foi brilhante como na semifinal da Copa do Brasil, o Vasco foi eficiente e repetiu o placar daquela ocasião, vencendo o Avaí por 2x0 no Ressacada. Caso o São Paulo não vença o America-MG, o Vascão assume a 3ª colocação do Brasileirão. Motivo algum para espanto. Sobre o jogo, se tem um time que o Diego Souza gosta – ou não gosta, depende do ponto de vista – é o Avaí! Ele, de novo, fez a diferença num primeiro equilibrado, onde o Vasco encontrou poucos espaços pelas laterais e afunilou o jogo pelo meio. Mas quando achou uma brecha na direita, Fagner desmarcou Diego com belíissimo passe e o camisa 10 deixou os cariocas em vantagem. Na etapa final, um time mais tranquilo, devido à vantagem, e inteligente selando a vitória com gol de Dedé. Este é o Vasco de Ricardo Gomes: um time com padrão de jogo, equilibrado e regular. O Vascão tá na briga pelo caneco, podem apostar...

Fluminense 3x0 Figueirense: Sai pra lá, crise! O Fluzão tem a força! No embalo de Rafael Moura, o tricolor jogou bem e conseguiu traduzir o domínio em vitória, ao contrário da partida contra o Grêmio. O He-man, artilheiro do Flu na temporada, marcou dois e deu passe pro golaço, diga-se de passagem, do volante Edinho. Mas outro jogador merece destaque: o argentino Lanzzini. Surpresa de Abel Braga no time titular, o jovem de 18 anos mostrou personalidade e qualidade, protagonizando belas arrancadas e passes precisos. Mais do que isso. Lanzzini deixou o torcedor tricolor esperançoso de que, enfim, o Fluminense encontrou o substituto para Darío Conca. É cedo para julgar, mas se a primeira impressão é a que fica... e assim, o Fluzão segue sua saga de altos e baixos no torneio. É oito ou oitenta. Alías...acho que é oito. Dono do oitavo pior ataque, o Fluminense venceu oito, perdeu oito e é oitavo colocado. Regularidade no pior sentido da palavra...

Um pouco mais: Ronaldinho Gaúcho está de volta à Seleção Brasileira! Surpesa? Não. Apenas justiça. O camisa 10 é o grande destaque do Flamengo, vice-líder do Brasileirão, que só perdeu um jogo no ano (e olha que já se passaram oito meses). Marcou nove gols e deu assistência para outros sete. Ou seja: participou diretamente de 16 dos 30 gols do Mengão no campeonato, mais da metade. Vamos deixar de lado o passado do craque, até por que o Gaúcho não é mais aquele dos tempos de Barcelona – e nem podemos esperar que volte a ser. Consideremos apenas os números citados acima e as recentes atuações do meia. Tem ou não tem argumentos para vestir a amarelinha novamente? Qual jogador brasileiro em atividade, no mundo inteiro, possui retrospecto parecido atualmente? Mano Menezes, em entrevista, disse que "Ronaldinho volta para ser a referência". Se ele consegue ser a referência, o ponto de desequilíbrio do time mais regular do Brasil, por que não da Seleção? Não é garantia de que vá ser, mas sim, a aposta mais correta e sensata no momento. Boa Mano...

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

A ponta e o penta...

Olhar para a tabela de classificação do Brasileirão e ver três cariocas entre os cinco primeiros é bom. Analisar e concluir que Botafogo, Vasco e Flamengo têm chances reais de levar a taça é ainda melhor. Neste fim de semana, resultados importantes e interessantes para o trio do Rio de Janeiro. A começar pelo Vasco, vamos às contas: três pontos da vitória sobre o Palmeiras + dois do empate do Corinthians + dois do empate do São Paulo + dois do empate do Flamengo = quatro. Sim...apenas quatro pontos separam o Vasco da liderança. Diante do Verdão, personagens e histórias diferentes em relação à última quarta-feira, quando se enfrentaram pela sul-americana. Times completos, jogo duro e um Palmeiras ligeiramente superior durante boa parte do tempo. Mas que não conseguiu transformar oportunidades em gols. O Vasco, por sua vez, contou com o talento de um reserva para vencer a partida. Ou 12° titular? Bernardo cobrou falta com perfeição, a lá Juninho Pernambucano e marcou o tento da vitória. Cirúrgico e competente, o Gigante da Colina segue no pelotão de frente e consegue, aos poucos, tirar a diferença em relação aos primeiros colocados. Concordo plenamente com Ricardo Gomes e já escrevi aqui algumas vezes sobre isso: time que quer ser campeão precisa vencer também quando joga mal. E o Vasco o fez neste domingo. Superando desconfianças e questionamentos quanto à qualidade de seu elenco, o cruzmaltino vai comendo pelas beiradas. Por que não sonhar com a ponta? E com o penta...

Botafogo 4x2 América-MG: A equação do Vasco serve também para o Botafogo. Ao vencer o coelho por 4x2, o Glorioso "ganhou" nove pontos e ficou a seis do líder. No dia em que festejou os 107 anos completados na sexta-feira, uma atuação digna de Botafogo. Contra o lanterna, em casa, time embalado e...jogo difícil! Com oito minutos de partida, o América vencia por 2x0! Dois gols em falhas de Marcelo Mattos – algo raro -, pelo setor esquerdo de defesa, onde Caio Jr. deve olhar com mais carinho...até porque Cortês não tem características defensivas. Pelo contrário. E sua força ofensiva, uma das principais armas do Bota, não deve ser desperdiçada com a responsabilidade de marcar. Mas em meio aos problemas, o Fogão tem hoje, em sua equipe, jogadores capazes de mudar a história de uma partida. E transformar drama em final feliz. O alvinegro reagiu com um golaaaaço do Elkeson, empatou na eficiência da bola aérea e competência de Antônio Carlos neste tipo de jogada (não à toa completou 50 gols na carreira) e virou com aquele que entrou e incendiou o jogo: o jovem Alex. Desde já, aposto que o garoto tem futuro. Por enquanto, no presente, se mostrou muito mais produtivo e decisivo que o Herrera. E assim, bem ao estilo Botafogo, o time de Caio Jr. vai se mantendo na parte de cima da tabela e encostando...

Figueirense 2x2 Flamengo: Pois é...o empate mantém o Flamengo invicto e na vice-liderança, com o mesmo número de pontos do Corinthians. Empatar com o Figueirense fora de casa não é um resultado absurdo. Mas claro, da forma que aconteceu, deixa um gosto amargo: a sensação de que o Mengão poderia ter amanhecido no topo. O rubro-negro abriu 2x0 – mais uma vez com participações decisivas de Ronaldinho Gaúcho – e apesar de não estar jogando o melhor futebol, controlava a partida. Era difícil acreditar em uma reação do Figueira. Somente se...exatamente o que aconteceu: alguém falhar. No primeiro gol, Angelim não acompanhou Somália, naquela velha mania de parar pra pedir impedimento. No segundo, Felipe saiu mal. Claro, ele tem crédito e essa situação acontece. Mas aconteceu porque o Flamengo permitiu, passou a ser pressionado depois que levou o gol e perdeu a cabeça. Passou a reclamar demais com o árbitro e esqueceu de jogar bola. Não estou aqui isentando Heber Roberto Lopes, que não teve critério para mostrar os cartões. Mas não foi por isso que o Flamengo deixou de vencer. Erros acontecem. E o interessante e curioso é que, mesmo quando a situação é adversa, o Flamengo sai “vencendo”. Soma pontos, não perde. E eu, Vinicius Gastin, vou escrever aqui e agora (vocês não estão ficando loucos): o Flamengo é o grande favorito à conquista do título! O mais regular e confiável entre todas as equipes do Brasileirão. O Mengão só não leva o caneco se tropeçar em si mesmo! Pronto, falei...

Grêmio 2x1 Fluminense: Ah...quando a fase não é boa...o Fluminense saiu na frente do Grêmio, no Olímpico, e com gol do Fred – ele fica no Fluzão! No entanto, ainda no primeiro tempo, o tricolor carioca levou a virada do gaúcho. E olha que desta vez, ao contrário do duelo contra o América-MG, o Fluminense não jogou mal. Teve maior posse de bola nos dois tempos, sobretudo no primeiro, quando ficou 63% do tempo com a redonda sob controle. Mas não chuta! Pecado corrigido no finzinho de partida, quando o time de Abel Braga pressionou e obrigou Victor a praticar boas defesas. Só que quando a fase não é das melhores...e assim, o Fluzão fica naquela: meio da tabela, nona colocação, não consegue embalar. Tampouco dá motivos para o torcedor tricolor ter esperanças de vôos mais altos...

Um pouco mais: Hoje o Blog abre espaço para o MMA. Tive a oportunidade de assistir à luta entre Anderson Silva e Chael Sonnen. Impressionante como o brasileiro apanhou! Sem conseguir ficar de pé, Anderson caiu, literalmente, na estratégia do adversário, que é excelente no chão. A luta se encaminhava para o fim, restava apenas um minuto pra acabar! Sem dúvida alguma, o americano venceria por pontos. Foi quando Anderson “achou” um triângulo, sabe-se lá como, e finalizou o oponente. SEN-SA-CIONAL! Fantástico como Silva é técnico e resistente. Saiu do octógono praticamente sem nenhum arranhão, apesar dos inúmeros golpes que recebeu...e com o cinturão, mais uma vez, em mãos! Grande Anderson Silva...

sábado, 13 de agosto de 2011

Todos por Nossa Friburgo...

                                                                      

O Blog Futebol e um  pouco mais mostra, com  exclusividade, os jogadores do Friburguense assistindo ao vídeo motivacional exibido antes da partida de estréia na fase final, quando o tricolor serrano venceu o Teresópolis por 2x0, em  15 de maio. O vídeo foi produzido e editado pela equipe do Esportes TV Zoom  (Wanderson Nogueira, Vinicius Gastin e Oduvaldo Junior), com retoques do goleiro reserva dos juniores, Pedro. A produção mescla imagens da tragédia que devastou a região serrana do Rio de Janeiro com  a campanha do Friburguense até aquele momento na série B. A partir deste dia, curiosamente, o Frizão não perdeu mais. Eu disse curiosamente? Bem....na verdade, desde então, os jogadores parecem  ter entendido e assimilado ainda mais a importância do acesso para levantar a auto-estima da cidade, depois de todos os acontecimentos. Reparem  na emoção do volante Lucas...arrepia! Os vídeos acima estarão em  breve no site oficial do clube, bem  como a inédita produção mostrada aos jogadores, na íntegra! Mas claro...os leitores do Blog têm  acesso um  pouco mais cedo...

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

“O Teu futuro espelha essa grandeza”?


Brasil x Alemanha. De um lado, o chamado país do futebol, cinco vezes campeão do mundo. Do outro, uma das mais tradicionais seleções, três vezes vencedora da Copa do Mundo. E atenção para o meio-campo da Seleção Brasileira: Ralf, Ramires e Fernandinho. Pois é...antes fosse uma piada! Na verdade, não deixa de ser. E de muito mal gosto. A minha crítica não diz respeito aos testes que Mano Menezes têm feito na Seleção. Afinal, todo processo de renovação exige mudanças. Contudo, mudar é diferente de inventar ou fazer média. Usei a escalação do meio-campo brasileiro na derrota para a Alemanha pra ilustrar o que quero dizer. Sinceramente: quais as chances de Fernandinho e Ralf serem convocados pra disputar a Copa de 2014? Teriam condições pra isso? E o Jonas? Mano Menezes, de forma surpreendente (pelo menos pra mim), tem cedido à pressões externas da mídia e outros órgãos. Em outras palavras, está fazendo média! E bancando, quem diria, uma das mais absurdas invenções de Dunga: o André Santos! O resultado desta mistura...é exatamente não ter resultados. O Brasil, depois de um ano de Mano, não tem um time definido. O 4-2-3-1 que o treinador insiste em usar já deu mostras de que não vai funcionar. O esquema da moda não serve pro Brasil. O futebol brasileiro não tem, hoje, um centroavante nato, de área, fundamental pra fazer essa formação funcionar. Neymar não pode ficar limitado a um pedaço do gramado (a esquerda), pois precisa de espaço, movimentação e acaba embolando com Paulo Henrique Ganso no meio. É hora de rever o esquema e as convocações. Particularmente, ainda acredito nesta Seleção. Se perdemos parte do respeito que antes os adversários tinham ao jogar com o Brasil, ao menos, preservamos o talento. Resta achar o encaixe. No entanto, neste quebra-cabeças, Mano Menezes precisa de mais critério na hora de escolher as peças. Ah Brasil...será que ”que o teu futuro espelha essa grandeza”? Vestir a camisa amarelinha virou algo tão banal ultimamente...

Um pouco mais: É inevitável. As últimas atuações de Ronaldinho Gaúcho pelo Flamengo já resultam em campanha pelo retorno do craque à Seleção Brasileira. E renovar nem sempre significa inovar. Até porque, como temos visto nas últimas listas de Mano, muitas vezes renovar com o objetivo de inovar se confunde com inventar. Complicado? Um pouco, mas eu explico. O processo de renovação, ao qual o Brasil se propôs a fazer após o fiasco de 2010, não precisa necessariamente de nomes inéditos. E sim, dos nomes certos. O Paulo Henrique Ganso, por exemplo, tinha que ter sido convocado para a Copa de 2010, afinal vivia grande momento. Mas não pra Copa América! O camisa 10 do Santos voltava de contusão, estava longe da forma física ideal e era evidente que não daria conta de tamanha responsabilidade. Futebol é talento, momento e regularidade. Pode ser que Ronaldinho não esteja bem para jogar a Copa de 2014, não sabemos o dia de amanhã. Porém, de fato, tem maiores possibilidades que Jadson e Fernandinho. Se mantiver o nível, Ronaldinho Gaúcho terá de estar presente na próxima convocação...