sexta-feira, 29 de abril de 2011

Paciência tem limites!

Carlos Alberto, campeão da Liga dos Campeões e do Mundo pelo Porto. Campeão Brasileiro pelo Corinthians. Uma das maiores promessas do futebol brasileiro quando surgiu no Fluminense. Tudo isso com apenas 26 anos. Idade sufuciente para um currículo recheado de conquistas e, sobretudo, polêmicas e indisciplina. Dispensado pelo Grêmio, Carlos Alberto tem as portas fechadas para possível retorno ao Vasco, clube com o qual ainda tem contrato. Situação parecida é a de Jobson. O atacante, flagrado e absolvido pelo uso de cocaína, é do Botafogo até 2015. Mas vai ter de arrumar outro clube pra jogar. Emprestado e mandado embora pelo Atlético-MG, depois de apenas quatro meses no clube mineiro, Jobson foi vetado pela diretoria do alvinegro carioca no momento. Mesmo aceitando as condições propostas pelo presidente Mauricio Assumpção, de internação e tratamento contra dependência química. Quem não quis foi o gerente de futebol Anderson Barros. Não estou defendendo ou discordando da decisão do dirigente, mas o momento do Botafogo é delicado e não dá para apostar em quem já chutou todas as oportunidades que teve para fora. O Vasco vive situação oposta, um bom momento, finalista do campeonato carioca. Porém a idéia é a mesma. Carlos Alberto pra quê? Pra estragar o ambiente tranquilo, que há muitos anos não era observado em São Januario? Não, não. É uma pena que talentos como os de Jobson e Carlos Alberto sejam ofuscados com atitudes anti-profissionais. Talvez em outros países, onde não há tantos jogadores talentosos e a dificuldade de renovação é grande, alguém seria obrigado a engolir a indisciplina de ambos. Ah...mas no Brasil...quantos jogadores bons e até melhores já sugiram depois de Carlos Alberto? Paciência tem limites...

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Nem melhor, nem pior. Apenas diferente...

Claro...depois da melhor atuação do Flamengo no ano, apesar do fraco Horizonte, é verdade, a questão veio à tona. E não poderia ser diferente, pois é um prato cheio para comentaristas esportivos. E eu não poderia ficar de fora. O Flamengo é melhor sem Ronaldinho Gaúcho? Vou direto ao ponto: não, é apenas diferente. Sim, pois Ronaldinho, quando está em campo, passa a ser a referência para os companheiros, que o procuram quase sempre na esperança de que, de seus pés, possa sair a jogada ideal. É fato que o craque ainda não rendeu tudo o que pode, mas foi decisivo na conquista do título da Taça Guanabara. Também é fato que Thiago Neves tem sido o principal fator de desequilibrio a favor do rubro-negro. Mas, se os jogadores, inclusive o Thiago, procuram o Ronaldinho para tocar a bola, é porque existe um respeito construído pelo próprio Gaúcho. Não é ordem de Vandereli Luxembrgo a bola ter de passar sempre por Ronaldinho. É questão de confiança dos companheiros de time. Voltando à questão do respeito, tal sentimento se estende aos adversários, que sempre deslocam dois ou três jogadores exclusivamente para marcar Ronaldinho Gaúcho. Agora imaginem: o craque em campo, o Deivid jogando bem (como aconteceu ontem), o Wanderley dando lençol e tudo, o Renato Abreu como segundo volante (onde ele tem que jogar) e o Williams (gol bonito, mas não me venham com o absurdo de compará-lo ao de Messi) bem demais na cabeça-de-área e ainda exibindo certa técnica. Pronto. Ta aí o Flamengo, sem esquecer do Leo Moura, ideal para sonhar com a conquista da Copa do Brasil. E quem sabe até, com um zagueiro experiente e um toque de Love, com o Brasileirão...

Um pouco mais: Paulo Vinicius Coelho, um dos jornalistas esportivos que mais admiro, foi muito feliz ao escrever em seu Blog sobre Josep Guardiola. O treinador do Barcelona tem em mãos, talvez, o melhor elenco do planeta na atualidade. Tem o melhor jogador do mundo à disposição. Mas de nada adiantaria ter os ingredientes e não conhecer a receita. Guardiola deslocou Messi para jogar nas costas dos volantes, pelo meio, mais próximo ao gol. A maior liberdade deu condições ao argentino de ir e vir, tabelar pelos dois lados e usar a agilidade e velocidade para furar a retranca madrilenha por duas vezes. O segundo gol, aliás, é indescritível. Faltam adjetivos. Até para definir Messi. Talvez craque, gênio, diferente. Ou uma mistura de tudo isso.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

É duro...

O Blog Futebol e um pouco mais abre espaço para o torcedor. Sai o jornalista Vinicius Gastin, entra o botafoguense Vinicius Gastin. Sim, o que aconteceu ontem em Florianópolis vai ficar marcado, compõe mais uma página polêmica e não menos trágica na rica história do Botafogo de Futebol e Regatas. Para quem não tem o prazer e a oportunidade de sentir emoções que só o alvinegro é capaz de proporcionar, é cômodo chamar seus seguidores de chorões. Difícil é aceitar um time em evolução, que fez boa partida e foi eliminado da Copa do Brasil por conta de um erro de arbitragem. Mais um. Não foi o primeiro e, infelizmente, não será o último. Sinceramente nunca vi, em lugar algum do mundo - embora uma pesquisa recente me desminta, um time que sofra tanto com erros de árbitros como o Botafogo. E não é choro, é fato. Daqui a algum tempo, o pênalti inexistente será esquecido. Somente ficará na lembrança de todos o vexame de ter sido eliminado pelo Avaí, com todo o respeito, assim como no título perdido para o Juventude em 1999 - quando o Botafogo teve dois gols legais anulados em Caxias do Sul. Ou melhor...de quase todos. Porque na memória do torcedor alvinegro, mais uma vez, a decepção fica guardada. A tão esperada conquista da Copa do Brasil, vaga na Libertadores e a volta da projeção internacional do Botafogo, um dos clubes mais respeitados no exterior, fica pra 2012. E por que? Por causa de um pênalti inexistente marcado contra o Glorioso. Não estou garantindo que o Fogão seria campeão em caso de classificação. E nem ficando louco. Mas a sensação de impotência diante do fato, a dor e o amrago por mais uma eliminação ridícula só faz crescer o sentimento. O amor pelo Botafogo parece aumentar, renascer a cada tropeço, a cada derrota, a cada vexame. Talvez porque só o Botafogo seja capaz de proporcionar sentimentos de amor e ódio ao mesmo tempo. De fazer o torcedor querer mais, esperar, esperar e esperar. Por algo que parece impossível e inalcançável. Muitas vezes por culpa de terceiros. Outras por culpa do próprio Botafogo. Depois do jogo de ontem, jurei pra mim mesmo que não queria mais saber do Botafogo. Hoje de manhã, acordei ansioso e esperançoso pela estréia no Brasileirão. Torcer pelo Glorioso alvinegro de General Severiano é muito mais que apenas viver de resultados. É viver de paixão! Mas é duro...

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Palpites...

Blog de volta, palpites de volta:

Avaí 0x1 Botafogo: se eu não acreditar, quem vai? Mesmo com Fahel na zaga e o desfalque - seríssimo - do Antônio Carlos, o Glorioso vence (não preciso falar que de maneira sofrida) com gol de Loco Abreu e salva, pelo menos por hora, o primeiro semestre.

Flamengo 3x0 Horizonte: difícil pensar em resultado diferente, mesmo sendo o Flamengo um time que ainda não encantou. Mas gosto deste Flamengo ofensivo, com a escalação do Renato Abreu na ala-esquerda. No ataque, Negueba (???) e Wanderley. O Horizonte terá que ser heróico pra conseguir um bom resultado no Engenhão. Super-heróis pra isso tem...o volante hercules e o atacante Jack Chan. Será?

Argentinos Jr. 1x1 Fluminense: sinceramente, não acho que o Fluminense consiga vencer em Buenos Aires. Só se Dario Conca ou Fred estiverem em dia inspirado. Mas não vai por causa deste jogo - dificílimo por sinal, assim como o grupo que o Flu caiu - que se dará a eliminação precoce. E sim, pelo fraco desempenho em casa de um time que não encaixou, errou no planejamento e perdeu um treinador de ponta porque foi incapaz de oferecer estrutura adequada.

Barcelona 2x1 Real Madrid: sim, também vou dar meu palpite no Superclassico, decisão da Copa do Rei. O duelo coloca frente a frente, pela segunda das quatro vezes em 18 dias, Cristiano Ronaldo e Messi. O estrategista José Mourinho e o futebol show do Barcelona. Sou fã número um do Mourinho. Mas, antes de tudo, sou apaixonado pelo futebol arte e ofensivo. Por isso, dá Barcelona.

Um pouco mais: justificando as interrogações após o nome do Negueba. Nada contra o garoto, que sinceramente, acho fraquíssimo. Mas eu pergunto: o que o Luxemburgo tem contra o Diego Mauricio? Ou...o que o Luxemburgo não tem (R$) com o Diego Mauricio?

terça-feira, 19 de abril de 2011

Decisão!

Fluminense Footbal Clube. Um dos mais tradicionais clubes de futebol do Brasil, atual campeão nacional. O futuro do tricolor carioca pode tomar diferentes rumos, de acordo com o que acontecer amanhã em Buenos Aires. Em caso de vitória sobre o Argentinos Jrs., o Fluzão segue firme rumo à próxima fase da Libertadores. O que pode significar a vinda de Abel Braga, campeão nacional pelo Al-Jazira, de forma antecipada. As fases mais agudas da Libertadores exigem um técnico de ponta e, como a missão de Abel já está cumprida no mundo árabe, ele poderia pintar nas Laranjeiras antes de 6 de junho. Agora...a eliminação do Fluminense na competição mais importante das Américas pode significar um marco na históra do clube. A parceria entre Flu e Unimed anda meio estremecida. Existem questionamentos, dentro da atual diretoria do clube, em relação ao poder exercido pelo patrocinador no futebol. A crise foi agravada com as saídas conturbadas de Alcides Antunes e Muricy Ramalho. Pessoas ligadas ao clube afirmam que alguns jogadores já perguntam a Celso Barros, presidente da Unimed, sobre o fim da parceria. Imaginar o Fluminense hoje, sem a Unimed, é algo complicado e preocupante. Pois bem...este é o cenário que cerca o duelo desta quarta-feira. O futuro do Fluminense dentro e fora de campo está em jogo. É decisão! Mais do que nunca, o espírito de guerreiros terá de se fazer presente...

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Adeus...

O Fogão venceu. Mas não levou. A vitória por 3x1 sobre o América não resolveu para o Botafogo, que está fora das semifinais da Taça Rio. Quanto ao jogo, boas atuações de Lucas - não porque é reserva - e Cidinho, grata surpresa. Quanto à eliminação, a última rodada não foi decisiva. Ela apenas consolidou a incapacidade do Glorioso em vencer Boavista e Resende - 0x0 e 1x1, respectivamente. E escancarou os erros no planejamento para a temporada. Perdeu boas opções no banco de reservas e não repôs. Hoje, Caio Jr. não conta com nenhum meia criativo no elenco. O Botafogo apostou no Renato Cajá e não se preaparou para a possibilidade de perdê-lo antes do retorno do Maicosuel. E vai além. Todos sabiam do impasse entre Joel Santana e Loco Abreu, algo que se estendeu a outros atletas durante o início de 2011. O Botafogo não foi capaz de contornar a situação, tampouco se previnir contra um possível racha ou briga. Foi o que aconteceu. Joel saiu, deixou o time na mão e praticamente eliminado. Eliminação confirmada ontem, de maneira ridícula sob os gritos de "Copa do Brasil agora é obrigação". Será que dá pra sonhar?

Flamengo 1x1 Macaé: pênalti absurdo, cobrança não menos ridícula. Digamos que Ronaldinho Gaúcho colocou o Flamengo no caminho mais difícil rumo ao título invicto. Em vez do Olaria, teremos Fla-Flu. E ponto final. Sim...não vamos fazer tempestade porque o Ronaldinho bateu de forma bisonha uma penalidade. Bateu sim...e pronto. Isso não muda o fato de ele ser o craque que é, mas que não rendeu o que dele se espera com a camisa do Fla. Mesmo assim, decidiu a Taça Guanabara a favor do rubro-negro...

Fluminense 1x0 Nova Iguaçu: jogo sem muita importância, sem graça...o Flu, que dependia só de um empate, foi além e venceu por 1x0. Destaque para o gol de Fred e a quebra do jejum de cinco jogos sem marcar. Capitão mais leve e tranquilo para a batalha na Argentina. Este sim, um jogo que pode ser histórico para o Fluminense...

Vasco 2x2 Olaria: não vi nenhuma facilitação ou abertura de perna. Vi um Vasco que buscou o gol a todo momento e desperdiçou várias oportunidades, nenhuma novidade. Porém capaz de quebrar a série invicta de quatro jogos da defesa do Olaria. Vi também um pênalti absurdo marcado a favor do Vasco. E um Olaria muito bem aramdo pelo Cleimar, mas que já eu o que tinha que dar e chegou longe demais. No próximo sábado, Vasco e Olaria voltam a se encontrar valendo vaga para a final e só um vai sorrir. Engenhão lotado de vascaínos, retornos de Ramom e Alecsandro...a coisa muda de figura. Dá Vasco com sobras!

Um pouco mais: Hamilton conseguiu quebrar, pelo menos na China, a hegemonia de Vettel. Vitória do inglês em Xangai e de sua equipe, que contornou os problemas antes da corrida e acertou na estratégia das três paradas. Enquanto a Mc Laren volta a ser forte no trabalho dos boxes e sonha desbancar a RBR, a Ferrari decepciona. Erra muito. E prejudica os pilotos, principalmente Massa, que ainda sim consegue melhor desempenho que Alonso...

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Frizão rumo à elite!

                      

E o Friburguense segue firme rumo à elite do futebol carioca. A campanha, por hora, é quase impecável. Apenas uma derrota - onde o tricolor foi claramente prejudicado pela arbitragem (em breve você confere aqui no Blog), oito vitórias e cinco empates. Melhor defesa com apenas dez gols sofridos No vídeo acima, o leitor do Futebol e um pouco mais pode assistir, com exclusividade, às imagens dos vestiários logo após a vitória por 6x0 contra a Portuguesa. Este foi o primeiro jogo, que abriu a jornada do Friburguense em busca de retornar à primeira divisão.

terça-feira, 12 de abril de 2011

O que será do amanhã?

A falta de tempo me impede de escrever no Blog - prometo que vou tentar manter uma regularidade! Também a falta de tempo impede Caio Jr. de colocar o Botafogo ao seu gosto. Por isso, a classificação do Glorioso às semifinais da Taça Rio está ameaçadíssima (opinião minha: pode esquecer o carioca). O alvinegro melhorou, é um time mais ofensivo. Isso é fato. Mas o que preocupa é a falta de qualidade, principalmente no meio-campo. O melhor jogador de criação do Botafogo, hoje, é o Lucas. Sim, o lateral Lucas, que deu outra vida à equipe quando entrou no segundo tempo contra o Flamengo. Everton, até agora, nada. Não adianta tentar transformar Marcelo Mattos, Arévalo, Bruno Tiago e outros em meias ofensivos. Eles não são! No banco tem o...o...pois é, não tem mais. Ah...como era bom olhar para o banco e ver Caio, Edno, Lucio Flavio (me rendo!). Como é duro olhar para o banco e não ver quem possa mudar a história de uma partida. Nem o Caio. Nos bastidores, a diretoria admite erro no planejamento e corre atrás de reforços. Ricardinho, Marcinho, Gilberto e Andrezinho são alguns dos nomes espculados. Boas opções, ambas as quatro - não vou ficar em cima do muro: prefiro o Marcinho. Claro..não podemos esquecer do Maicosuel, cada vez mais próximo do retorno. Assim como Fabio Ferreira - zagueiraço! - e o recém contratado Cortês - incógnita. Certo é que o Fogão tem pressa. O primeiro semestre pode ir embora nesta semana. O que será do amanhã?

Um pouco mais: a temporada da Fórmula 1 começou como terminou 2010:

- Domínio de Vettel, rei das poles, e da RBR;
- Ferrari errando demais e comprometendo pilotos;
- Felipe Massa lamentando falhas técnicas e sendo prejudicado pela equipe;
- Mc Laren trabalhando em silêncio;
- Rubinho Barrichello, coitado, azarado que só ele...