domingo, 28 de agosto de 2011

Dois cruzados e...Nocaute!

Não diria que demorou...mas Caio Junior testou, mexeu, não gostou, insistiu. Tentou mais uma vez, pediu reforços, acreditou em que já estava lá e agora sim! O treinador parece ter encontrado a formação ideal para o Botafogo. No clássico contra o Fluminense, a vitória do futebol moderno contra o conservador, o previsível. Sim...ou alguém não sabia que o Abel colocaria o Ciro no lugar do Souza? Ou que a defesa tricolor, principalmente no lado esquerdo, não existe? Parece que Abelão ainda não percebeu e insiste com Marcio Rosario. Carlinhos, lateral ofensivo, não tem cobertura tampouco reforço na marcação. Foi por ali que o Botafogo ganhou o jogo. E tudo em  apenas oito minutos. Depois de um primeiro tempo com muitos erros e excesso de preciosismo do lado alvinegro, ligeiramente superior, a etapa final comçou com tudo. Ou melhor...o Fluminense começou com tudo e o Botafogo bem devagar. Por isso, num cochilo do Herrera, Fred subiu sozinho e colocou o Fluzão em vantagem após cobrança de escanteio. Aliás, a bola aérea é a única opção realmente eficiente deste Fluminense. O gol tricolor parece ter despertado as feras alvinegras. E bem ao estilo UFC, bastaram dois cruzados para derrubar o adversário. O primeiro golpe foi do melhor e mais regular jogador do Botafogo no Brasileirão, candidatíssimo a craque e revelação do torneio: Elkeson. O camisa nove recebeu na direita (lado esquerdo de defesa do Flu, vejam só...), passou como foguete por dois marcadores e bateu cruzado de canhota para empatar, um minuto mais tarde. Pouco tempo depois, o golpe final. Escanteio para o Fluminense; Jéfferson sai do gol, encaixa e liga contra-ataque com....Loco Abreu! E o uruguaio, a passos largos, conduz até a entrada da área, quando rolou para Lucas, livre, na direita (faço questão de reescrever: esquerda de defesa do Flu). O lateral mandou o segundo cruzado no canto de Cavallieri: virada alvinegra em sete minutos. O Fluminense, desorganizado, tentou reagir na base das bolas alçadas à grande área. No entanto, a defesa alvinegra se manteve firme e bloqueou as tentativas do atual campeão brasileiro. Apostando nos contra-golpes, o Glorioso teve lá uma chance ou outra pra matar o jogo...uma com Elkeson, outra com Cidinho. Mas não precisou. Estava escrito nas Estrelas que na noite de sábado apenas a Solitária brilharia, soberana, sob comando de Elkeson. Depois do nocaute, o Fogão termina o turno próximo aos líderes e começa a sonhar de verdade...

Um pouco mais: Este será o um pouco mais do como:

- Como joga bola o tal do Renato! Pouco aparece pra torcida, mas não erra passes, tem um senso de cobertura e posicionamento incomuns;

- Como melhorou de rendimento o Maicosuel! Aos poucos, volta a ser o Mago que a galera alvinegra conhece.

- Como é ruim o tal do Marcio Rosário! O que o Abel Braga vê nesse jogador? Ou não consegue exergar?

- Como o Brasil tem dificuldades pra vencer os EUA no vôlei! Nova derrota no Grand Prix feminino, logo na decisão....uma pena!

- Como  luta o tal do Anderson Silva! Uma vitória soberana, tranquila e humilhante sobre Okami. O Spider abriu a guarda para o japonês bater e definiu a luta na hora que quis! Pois Anderson provou que está um passo à frente de seus rivais no UFC.

- Como é bom, para nós friburguenses, poder ter no esporte motivos para nos orgulharmos (já que na política...sem comentários!). Depois do Galhardo, foi a vez de Edson Barbosa, o Juninho, levar o nome de Nova Friburgo para o mundo de maneira positiva! Juninho derrotou o difícil Pearson, por pontos, no UFC. E fez questão de lembrar da família, do Botafogo - quantas vezes já fui ao Caio Martins com o Edson, grande garoto! - e da cidade. Pois aqui perto de casa, na RuaFolly (onde foi criado), foi possível ouvir os fogos durante toda a noite! O lutador vem de família humilde e não esquece as suas raízes. Parabéns Juninho! E como diz a tatuagem que carrega na cintura ( e que me mostrou, me lembro bem, um dia após ter feito...): "A luta continua!"

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O fator RG


No futebol, a palavra equilíbrio pode ter várias interpretações. Os treinadores, por exemplo, buscam o equilíbrio entre os setores de suas equipes para montar um time forte e compacto. Quando um jogo é equilibrado, subentendemos que os rivais estão jogando no mesmo nível. Ambas as definições se encaixam no Flamengo de Vanderlei Luxemburgo. Depois de inúmeras tentativas, Luxa achou a formação ideal para o rubro-negro, o tal do equilíbrio. Na Arena da Baixada, diante do Atlético-PR, o Mengão poupou diversos titulares e ainda sim mostrou encaixe. Atuou de forma segura na defesa e conseguiu criar situações de gol no ataque. Aliás, chamo a atenção para dois jogadores. O primeiro, Gustavo. O zagueiro, contratado junto ao Boavista, foi bem novamente e dá sinais de que vai brigar pela posição de titular. Opinião minha: a dupla ideal é Gustavo e Alex Silva, este cada vez mais seguro e entrosado. O outro destaque é negativo. Ah Jael...desta vez, realmente, foi muito cruel com o torcedor do Fla. O atacante esteve em noite de Deivid e desperdiçou duas chances incríveis! E aí entra um prefixo que no futebol, ao contrário da forma como é empregada na maioria dos casos em nossa língua, possui significado extremamente positivo: o desequilíbrio. No caso do Flamengo, o sinônimo de desequilíbrio é Ronaldinho Gaúcho! E olha que desta vez o camisa 10 não precisou de um lance genial para decidir. Apenas uma oportunidade, estar no lugar certo, na hora exata. Oportunismo este que acompanha a boa fase do craque. E leva o Mengo às vitórias, a quebrar tabus como nunca ter vencido na Arena da Baixada ou passado da primeira fase na Sul-Americana. Gol fácil, não é verdade? Sim...mas por que Jael não fez, em duas ocasiões tão simples quanto? A diferença está exatamente nesses detalhes, no simples. Ronaldinho Gaúcho sabe fazer o simples como poucos. Ou tornar simples o que parece difícil para muitos. Motivado e jogando de forma mais objetiva que no início do ano, mostra o motivo pelo qual retorna à Seleção Brasileira. Ponto de desequilíbrio no Flamengo, o Fator RG pode representar o equilíbrio que Mano Menezes procura...

Um pouco mais: Sorteados os grupos da Champions League, desta vez sem “grupo da morte”, uma rápida análise e palpites:

Grupo A: Bayern de Munique, Napoli, Villareal e Manchester City:
O mais equilibrado de todos. Passam Bayern de Munique (tradição!) e City (R$...rs)

Grupo B: Inter de Milão, CSKA, Lille e Trabzonpor:
Inter, logicamente, e Lille...vou apostar nos franceses!

Grupo C: Manchester United, Benfica, Basel e Otelul Galati:
Fácil para United e Benfica...qualquer outro resultado é zebra!

Grupo D: Real Madrid, Lyon, Ajax e Dinamo Zagreb:
Vou de Real e Lyon...o Ajax não é mais aquele dos anos 90...

Grupo E: Chelsea, Valencia, Bayer Leverkusen e Genk:
Passam Chelsea e Leverkusen...futebol alemão em franco crescimento!

Grupo F: Arsenal, Olympique de Marselle, Olympiacos e Borussia Dortmund
Assim como na chave anterior, aposto nos ingleses e alemães: Arsenal e Borussia

Grupo G: Porto, Shaktar Donetsk, Zenit e Apoel
Soberano, Porto avança junto com o Shaktar

Grupo H: Barcelona, Milan, BATE Borisov e Viktoria Plzen
Esse é moleza de apostar...dois gigantes do futebol mundial contra duas equipes sem expressão...é Barça e Milan!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Verdadeiro Gol de Placa...

                                       

Hoje, o Futebol e um pouco mais abre espaço para mostrar um exemplo do poder de tranformação e inclusão social do esporte. No vídeo, a matéria sobre a 3ª edição da Copa Chico Faria, que fiz para o Esportes TV Zoom e para o Zoom TV Jornal, ambos exibidos nesta segunda-feira, 22. As imagens são de Brian Azevedo e a edição do graaande Oduvaldo Junior.

domingo, 21 de agosto de 2011

Estrelas Solidárias...

Duas estrelas juntas pela solidariedade. Um evento memorável neste domingo, 21, no Friburguense, marcou as doações de eletrodométicos às vítimas da tragédia de janeiro em  Nova Friburgo. As geladeiras e fogões foram compradas com o dinheiro que restou da renda do amistoso entre Frizão e Fogão, em oito de maio. Destaque para a presença do presidente alvinegro, Maurício Assumpção, que jogou pelada e tudo no campo de grama sintética. As duas paixões deste que vos escreve, juntas, em prol da Nossa Friburgo. Este primeiro vídeo ajuda a explicar um pouco do que é torcer pelo Botafogo. Ao tocar o hino do clube durante o churrasco de confraternização, os alvinegros, emocionados, cantaram junto. Mas a emoção de um torcedor, que teve o privilégio de ver Garrincha, Nilton Santos e tantos outros, chamou a atenção e comoveu até mesmo Maurício Assumpção. Quem assistir e for botafoguense, vai saber do que estou falando. Quem não for...bem. Azar de que não segue a Estrela Solitária, JAMAIS vai compreender...

                                      

Nesta entrevista exclusiva que fiz - vai ao ar no site do Friburguense em brave - Maurício comnenta à respeito do evento e sobre a causa, destacando o vículo e carinho pessoal com  Nova Friburgo:

                                     

E claro...não poderia faltar o discurso. Fala Presidente!

                                      

Um dia histórico para o Friburguense, para Nova Friburgo e para cada um dos alvinegros presentes ao evento. Para mim, uma oportunidade única, extremamente gratificante...uma mistura de paixão e profissionalismo, envolvendo as duas estrelas que guiam o meu coração...

Raul, Maurício e eu: ao lado dos presidentes de Friburguense e Botafogo

sábado, 20 de agosto de 2011

Fogão aceso!

Esse sim, de fato, é o Botafogo que pode sonhar com  objetivos maiores no Campeonato Brasileiro. Um time que vibra, corre os 90 minutos e mostra ter peças de reposição à altura de importantes desfalques, casos de Loco Abreu e Herrera. No Glorioso de Caio Junior, no entanto, há um jogador insubstituível: Elkeson. Completo, é o atilheiro da equipe no Brasileirão, o que mais sofre faltas, mais finaliza e rouba bolas. Contra o Galo, o camisa nove abriu caminho para a vitória por 3x1 em cabeçada certeira. O detalhe do lance foi a boa participação dos dois laterais: começou com Cortês, na esquerda e chegou a Lucas. Este, colocou com precisão para Elkeson marcar. Que o treinador não volte com Alessandro nas próximas partidas! O Lucas precisa de uma sequência para se firmar. Voltando ao jogo, o Gloriosomarcou e atacou com precisão. Prova disso é o fato de o Atlético ter ficado mais tempo com a bola e não levar perigo. O Fogão foi eficiente em todos os setores, contou com jogadores em dia inspirado e outros que começam a mostrar qualidade. Me refiro a Felipe Menezes, especificamente. Não só pelos dois gols, que já seriam o suficiente para merecer destaque - até porque foram marcados com a perna esquerda, a "ruim" do meia. Pois Felipe, enquanto teve fôlego, distribuiu bemas jogadas e articulou o meio-campo. Possui bom passe e ótima capacidade de finalização, algo que demonstrou no segundo tento do Bota. Assim que adquirir o ritmo ideal, vai se tornar peça importante do elenco alvinegro. Quem também chamou a atenção foi Maicosuel, ao realizar seu melhor jogo desde que voltou de contusão. Caindo pela esquerda e direita, revezando com Elkeson, o Mago foi um tormento constante para a defesa adversária. Dos pés dele, o passe para Alex fazer o trabalho de pivô e ajeitar para Felipe Menezes: 3x0 Fogão. Escrever que Cortês foi bem, Antônio Carlos foi seguro e Jéfferson impecável seria redundância. Também não é novidade a participação fundamental do Renato. O volante é daqueles que não aparece pra torcida. E eu respondo o motivo: dificilmente erra. Faz o simples e muito bem feito. A jogada que nos pés de um outro qualquer seria chutão, com Renato vira passe...e assim o jogo flui. E contra a equipe de Cuca fluiu porque o Botafogo mostrou disposição. Não teve bola perdida. Toda a vibração que faltou diante do Internacional sobrou ao time da Estrela Solitária neste sábado. O desafio é manter essa regularidade. Até porque, se observarmos, o alvinegro se mantém na parte de cima da tabela desde o início do campeonato. Os apagões é que não permitem uma arrancada e maior aproximação. A diferença, porém, é de apenas seis pontos para o líder Corinthians. O Fogão tá aceso...

Um pouco mais: Quando escrevi aqui e comentei na rádio que o Flamengo só perde o título para ele mesmo, me referi exatamente à regularidade que o rubro-negro tem, apesar da goleada sofrida para o Atlético-GO; que Botafogo e São Paulo buscam; que o Vasco esboça conseguir e que o Corinthians parece não ter. O time de Tite não inspira confiança. Não estou tirando os méritos do Figueirense pela vitória por 2x0 em pleno Pacaembú. Pelo contrário...Jorginho deu uma verdadeira aula de tática em Tite. Mas a impressão é que este tipo de surpresa é muito mais plausível de acontecer com  o Timão do que com o Mengão. Até por isso, o Corinthians busca uma nova formação...as últimas atuações não foram convincentes. Com dois armadores na equipe, Tite abre mão da velocidade e perde mobilidade. Na primeira tentativa, não deu certo. Pode ser que esteja enganado, é apenas uma opinião...mas os fatos me dão razão!

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Antes fosse uma zebra...

E o Engenhão viveu mais uma noite de apagão. Desta vez, não foi queda de energia... e sim de uma invencibilidade que durou 16 partidas no campeonato brasileiro. Foi daqueles jogos em que nada dá certo e o adversário acerta tudo o que tenta. O resultado? Atlético-GO 4 a 1 no Flamengo, em pleno Rio de Janeiro. No jogo dos muitos erros, uma vitória inapelável e incontestável do time goiano, que já vinha de um resultado e atuação fantásticos contra o Santos. Antes fosse uma zebra... o Dragão foi quem passeou no Engenhão! Quando me refiro a erros, começo pela escalação do Flamengo. Ora... o Mengão brigando pelo título, jogando em casa e contra um adversário que, sabidamente, viria retrancado. Ainda assim, Luxemburgo incorporou Joel Santana e colocou em campo três zagueiros, dois volantes e apenas um atacante. Até entendi, a intenção era liberar os laterais. Mas acontece que o Flamengo não está acostumado a jogar dessa forma! Pra que mudar um esquema que vem dando tão certo? E outra, cá entre nós: o Leo Moura já não é mais o mesmo. Enfim... quem conhece futebol sabe que encher o time de defensores não é garantia de segurança. Pelo contrário, pode até atrapalhar o sitema defensivo. Ontem, por exemplo, a defesa do Flamengo, mal arrumada, bateu cabeça o tempo todo. E ainda contou com Felipe numa noite para esquecer! Fatores que se somam às ausências de Renato e Ronaldinho Gaúcho. Não tem como discordar que o autor de nove gols e sete assistências, destaque do time mais regular do Brasil fez falta. Faria a qualquer equipe. E, na atual fase do Thiago Neves – sem aquele mesmo brilho do início da temporada, não ter Ronaldinho em campo significa ausência de criatividade. De um modo geral, o desfalque do Gaúcho representa a falta daquele de quem se espera o lance diferente, que muda os rumos de uma partida. Falando em rumo, o rubro-negro segue na direção certa. Claro...uma derrota deste porte, em casa e para um time sem tanta expressão machuca. É, até certo ponto, humilhante. Mas vale lembrar que é apenas a segunda do Flamengo no ano. O Mengão ainda é vice-líder e está a três pontos do Corinthians. Volto a dizer: na minha visão, Vinicius Gastin, o Fla só perde o título pra ele mesmo. É o time mais regular e confiável do Brasil. E tem Ronaldinho Gaúcho, o melhor jogador brasileiro em atividade no momento...ou alguém consegue me apontar outro?

Um pouco mais: Até por isso, fui totalmente favorável à convocação de Ronaldinho para a Seleção Brasileira, como comentei no post anterior. Quanto às insinuações de que Mano Menezes estaria querendo prejudicar o Flamengo e beneficiar o Corinthians, sinceramente não acredito. Até porque o maior lesado foi o Santos – que teve Neymar, Ganso e Danilo convocados. Aí questionam: "mas o Santos não briga pelo título". Verdade...mas terá um Mundial pela frente no fim do ano. E se o Neymar, por exemplo, sofre uma lesão grave em um desses amistosos? O Botafogo perdeu Jéfferson, o Vasco não vai contar com Dedé, o Inter com Leandro Damião, o Cruzeiro com Fábio...e por aí vai. O problema está no planejamento e montagem do calendário. Um erro não justifica o outro. E sim, prejudica. A CBF desvaloriza seu próprio produto, o Brasileirão, por conta de um erro próprio. Na hora da convocação, os melhores devem ser chamados. Até porque a pressão por resultados é grande, e os mesmos que criticam as convocações irão criticar mais um tropeço da Seleção de Mano Menezes, caso ocorra. Não seria ingênuo de acreditar que não existem interesses de terceiros envolvidos em toda esta situação. No entanto, existe a minha vontade e a de muitos brasileiros em ver um time forte novamente vestindo a amarelinha...

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Fogão sem chama...

De fato, faltou muita coisa ao Botafogo contra o Internacional. Faltou a força e a velocidade de Elkeson aberto pela direita, setor inoperante ofensivamente contra o Colorado – e por onde, curiosamente, o Botafogo insistiu em forçar as jogadas com o Alessandro. Não entendi por que o Cortês foi tão pouco explorado, apenas nos minutos iniciais de partida...mas enfim. Faltou a referência, a presença, a experiência e liderança de Loco Abreu. Os diversos cruzamentos à área do Inter não encontraram o destino desejado. Outros tantos não foram executados exatamente pela ausência do uruguaio. E como foi que o time gaúcho conseguiu a vitória? Bola aérea, Leandro Damião. O diferencial que o Botafogo não tinha. Jogadores deste nível fazem falta a qualquer equipe, ninguém pode negar. Mas na derrota por 1x0, faltou um detalhe fundamental ao alvinegro de Caio Junior, especialmente quando se tem um grande prejuízo na parte técnica: VONTADE! O Botafogo foi um time apático, sem vibração e que se limitou à bola na trave em finalização de Alex – apagaaaado... no mais, o Internacional não precisou jogar muito para sair vitorioso. Isso porque o Glorioso não exigiu nada além do que foi feito pela equipe de Dorival Junior. Depois de uma atuação como esta, abaixo da crítica, começam os questionamentos sobre até onde o time da estrela solitária pode chegar. Até que ponto é confiável? Com toda esta irregularidade, o Botafogo de jogos memoráveis contra Vasco e São Paulo e pífios contra Atlético-GO e Inter, não vai ter fôlego para brigar pelo título. Em meio ao otimismo e apagões, assistimos no Beira-Rio a um Fogão sem garra, disposição, sem aquela chama...

Avaí 0x2 Vasco: Se não foi brilhante como na semifinal da Copa do Brasil, o Vasco foi eficiente e repetiu o placar daquela ocasião, vencendo o Avaí por 2x0 no Ressacada. Caso o São Paulo não vença o America-MG, o Vascão assume a 3ª colocação do Brasileirão. Motivo algum para espanto. Sobre o jogo, se tem um time que o Diego Souza gosta – ou não gosta, depende do ponto de vista – é o Avaí! Ele, de novo, fez a diferença num primeiro equilibrado, onde o Vasco encontrou poucos espaços pelas laterais e afunilou o jogo pelo meio. Mas quando achou uma brecha na direita, Fagner desmarcou Diego com belíissimo passe e o camisa 10 deixou os cariocas em vantagem. Na etapa final, um time mais tranquilo, devido à vantagem, e inteligente selando a vitória com gol de Dedé. Este é o Vasco de Ricardo Gomes: um time com padrão de jogo, equilibrado e regular. O Vascão tá na briga pelo caneco, podem apostar...

Fluminense 3x0 Figueirense: Sai pra lá, crise! O Fluzão tem a força! No embalo de Rafael Moura, o tricolor jogou bem e conseguiu traduzir o domínio em vitória, ao contrário da partida contra o Grêmio. O He-man, artilheiro do Flu na temporada, marcou dois e deu passe pro golaço, diga-se de passagem, do volante Edinho. Mas outro jogador merece destaque: o argentino Lanzzini. Surpresa de Abel Braga no time titular, o jovem de 18 anos mostrou personalidade e qualidade, protagonizando belas arrancadas e passes precisos. Mais do que isso. Lanzzini deixou o torcedor tricolor esperançoso de que, enfim, o Fluminense encontrou o substituto para Darío Conca. É cedo para julgar, mas se a primeira impressão é a que fica... e assim, o Fluzão segue sua saga de altos e baixos no torneio. É oito ou oitenta. Alías...acho que é oito. Dono do oitavo pior ataque, o Fluminense venceu oito, perdeu oito e é oitavo colocado. Regularidade no pior sentido da palavra...

Um pouco mais: Ronaldinho Gaúcho está de volta à Seleção Brasileira! Surpesa? Não. Apenas justiça. O camisa 10 é o grande destaque do Flamengo, vice-líder do Brasileirão, que só perdeu um jogo no ano (e olha que já se passaram oito meses). Marcou nove gols e deu assistência para outros sete. Ou seja: participou diretamente de 16 dos 30 gols do Mengão no campeonato, mais da metade. Vamos deixar de lado o passado do craque, até por que o Gaúcho não é mais aquele dos tempos de Barcelona – e nem podemos esperar que volte a ser. Consideremos apenas os números citados acima e as recentes atuações do meia. Tem ou não tem argumentos para vestir a amarelinha novamente? Qual jogador brasileiro em atividade, no mundo inteiro, possui retrospecto parecido atualmente? Mano Menezes, em entrevista, disse que "Ronaldinho volta para ser a referência". Se ele consegue ser a referência, o ponto de desequilíbrio do time mais regular do Brasil, por que não da Seleção? Não é garantia de que vá ser, mas sim, a aposta mais correta e sensata no momento. Boa Mano...

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

A ponta e o penta...

Olhar para a tabela de classificação do Brasileirão e ver três cariocas entre os cinco primeiros é bom. Analisar e concluir que Botafogo, Vasco e Flamengo têm chances reais de levar a taça é ainda melhor. Neste fim de semana, resultados importantes e interessantes para o trio do Rio de Janeiro. A começar pelo Vasco, vamos às contas: três pontos da vitória sobre o Palmeiras + dois do empate do Corinthians + dois do empate do São Paulo + dois do empate do Flamengo = quatro. Sim...apenas quatro pontos separam o Vasco da liderança. Diante do Verdão, personagens e histórias diferentes em relação à última quarta-feira, quando se enfrentaram pela sul-americana. Times completos, jogo duro e um Palmeiras ligeiramente superior durante boa parte do tempo. Mas que não conseguiu transformar oportunidades em gols. O Vasco, por sua vez, contou com o talento de um reserva para vencer a partida. Ou 12° titular? Bernardo cobrou falta com perfeição, a lá Juninho Pernambucano e marcou o tento da vitória. Cirúrgico e competente, o Gigante da Colina segue no pelotão de frente e consegue, aos poucos, tirar a diferença em relação aos primeiros colocados. Concordo plenamente com Ricardo Gomes e já escrevi aqui algumas vezes sobre isso: time que quer ser campeão precisa vencer também quando joga mal. E o Vasco o fez neste domingo. Superando desconfianças e questionamentos quanto à qualidade de seu elenco, o cruzmaltino vai comendo pelas beiradas. Por que não sonhar com a ponta? E com o penta...

Botafogo 4x2 América-MG: A equação do Vasco serve também para o Botafogo. Ao vencer o coelho por 4x2, o Glorioso "ganhou" nove pontos e ficou a seis do líder. No dia em que festejou os 107 anos completados na sexta-feira, uma atuação digna de Botafogo. Contra o lanterna, em casa, time embalado e...jogo difícil! Com oito minutos de partida, o América vencia por 2x0! Dois gols em falhas de Marcelo Mattos – algo raro -, pelo setor esquerdo de defesa, onde Caio Jr. deve olhar com mais carinho...até porque Cortês não tem características defensivas. Pelo contrário. E sua força ofensiva, uma das principais armas do Bota, não deve ser desperdiçada com a responsabilidade de marcar. Mas em meio aos problemas, o Fogão tem hoje, em sua equipe, jogadores capazes de mudar a história de uma partida. E transformar drama em final feliz. O alvinegro reagiu com um golaaaaço do Elkeson, empatou na eficiência da bola aérea e competência de Antônio Carlos neste tipo de jogada (não à toa completou 50 gols na carreira) e virou com aquele que entrou e incendiou o jogo: o jovem Alex. Desde já, aposto que o garoto tem futuro. Por enquanto, no presente, se mostrou muito mais produtivo e decisivo que o Herrera. E assim, bem ao estilo Botafogo, o time de Caio Jr. vai se mantendo na parte de cima da tabela e encostando...

Figueirense 2x2 Flamengo: Pois é...o empate mantém o Flamengo invicto e na vice-liderança, com o mesmo número de pontos do Corinthians. Empatar com o Figueirense fora de casa não é um resultado absurdo. Mas claro, da forma que aconteceu, deixa um gosto amargo: a sensação de que o Mengão poderia ter amanhecido no topo. O rubro-negro abriu 2x0 – mais uma vez com participações decisivas de Ronaldinho Gaúcho – e apesar de não estar jogando o melhor futebol, controlava a partida. Era difícil acreditar em uma reação do Figueira. Somente se...exatamente o que aconteceu: alguém falhar. No primeiro gol, Angelim não acompanhou Somália, naquela velha mania de parar pra pedir impedimento. No segundo, Felipe saiu mal. Claro, ele tem crédito e essa situação acontece. Mas aconteceu porque o Flamengo permitiu, passou a ser pressionado depois que levou o gol e perdeu a cabeça. Passou a reclamar demais com o árbitro e esqueceu de jogar bola. Não estou aqui isentando Heber Roberto Lopes, que não teve critério para mostrar os cartões. Mas não foi por isso que o Flamengo deixou de vencer. Erros acontecem. E o interessante e curioso é que, mesmo quando a situação é adversa, o Flamengo sai “vencendo”. Soma pontos, não perde. E eu, Vinicius Gastin, vou escrever aqui e agora (vocês não estão ficando loucos): o Flamengo é o grande favorito à conquista do título! O mais regular e confiável entre todas as equipes do Brasileirão. O Mengão só não leva o caneco se tropeçar em si mesmo! Pronto, falei...

Grêmio 2x1 Fluminense: Ah...quando a fase não é boa...o Fluminense saiu na frente do Grêmio, no Olímpico, e com gol do Fred – ele fica no Fluzão! No entanto, ainda no primeiro tempo, o tricolor carioca levou a virada do gaúcho. E olha que desta vez, ao contrário do duelo contra o América-MG, o Fluminense não jogou mal. Teve maior posse de bola nos dois tempos, sobretudo no primeiro, quando ficou 63% do tempo com a redonda sob controle. Mas não chuta! Pecado corrigido no finzinho de partida, quando o time de Abel Braga pressionou e obrigou Victor a praticar boas defesas. Só que quando a fase não é das melhores...e assim, o Fluzão fica naquela: meio da tabela, nona colocação, não consegue embalar. Tampouco dá motivos para o torcedor tricolor ter esperanças de vôos mais altos...

Um pouco mais: Hoje o Blog abre espaço para o MMA. Tive a oportunidade de assistir à luta entre Anderson Silva e Chael Sonnen. Impressionante como o brasileiro apanhou! Sem conseguir ficar de pé, Anderson caiu, literalmente, na estratégia do adversário, que é excelente no chão. A luta se encaminhava para o fim, restava apenas um minuto pra acabar! Sem dúvida alguma, o americano venceria por pontos. Foi quando Anderson “achou” um triângulo, sabe-se lá como, e finalizou o oponente. SEN-SA-CIONAL! Fantástico como Silva é técnico e resistente. Saiu do octógono praticamente sem nenhum arranhão, apesar dos inúmeros golpes que recebeu...e com o cinturão, mais uma vez, em mãos! Grande Anderson Silva...

sábado, 13 de agosto de 2011

Todos por Nossa Friburgo...

                                                                      

O Blog Futebol e um  pouco mais mostra, com  exclusividade, os jogadores do Friburguense assistindo ao vídeo motivacional exibido antes da partida de estréia na fase final, quando o tricolor serrano venceu o Teresópolis por 2x0, em  15 de maio. O vídeo foi produzido e editado pela equipe do Esportes TV Zoom  (Wanderson Nogueira, Vinicius Gastin e Oduvaldo Junior), com retoques do goleiro reserva dos juniores, Pedro. A produção mescla imagens da tragédia que devastou a região serrana do Rio de Janeiro com  a campanha do Friburguense até aquele momento na série B. A partir deste dia, curiosamente, o Frizão não perdeu mais. Eu disse curiosamente? Bem....na verdade, desde então, os jogadores parecem  ter entendido e assimilado ainda mais a importância do acesso para levantar a auto-estima da cidade, depois de todos os acontecimentos. Reparem  na emoção do volante Lucas...arrepia! Os vídeos acima estarão em  breve no site oficial do clube, bem  como a inédita produção mostrada aos jogadores, na íntegra! Mas claro...os leitores do Blog têm  acesso um  pouco mais cedo...

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

“O Teu futuro espelha essa grandeza”?


Brasil x Alemanha. De um lado, o chamado país do futebol, cinco vezes campeão do mundo. Do outro, uma das mais tradicionais seleções, três vezes vencedora da Copa do Mundo. E atenção para o meio-campo da Seleção Brasileira: Ralf, Ramires e Fernandinho. Pois é...antes fosse uma piada! Na verdade, não deixa de ser. E de muito mal gosto. A minha crítica não diz respeito aos testes que Mano Menezes têm feito na Seleção. Afinal, todo processo de renovação exige mudanças. Contudo, mudar é diferente de inventar ou fazer média. Usei a escalação do meio-campo brasileiro na derrota para a Alemanha pra ilustrar o que quero dizer. Sinceramente: quais as chances de Fernandinho e Ralf serem convocados pra disputar a Copa de 2014? Teriam condições pra isso? E o Jonas? Mano Menezes, de forma surpreendente (pelo menos pra mim), tem cedido à pressões externas da mídia e outros órgãos. Em outras palavras, está fazendo média! E bancando, quem diria, uma das mais absurdas invenções de Dunga: o André Santos! O resultado desta mistura...é exatamente não ter resultados. O Brasil, depois de um ano de Mano, não tem um time definido. O 4-2-3-1 que o treinador insiste em usar já deu mostras de que não vai funcionar. O esquema da moda não serve pro Brasil. O futebol brasileiro não tem, hoje, um centroavante nato, de área, fundamental pra fazer essa formação funcionar. Neymar não pode ficar limitado a um pedaço do gramado (a esquerda), pois precisa de espaço, movimentação e acaba embolando com Paulo Henrique Ganso no meio. É hora de rever o esquema e as convocações. Particularmente, ainda acredito nesta Seleção. Se perdemos parte do respeito que antes os adversários tinham ao jogar com o Brasil, ao menos, preservamos o talento. Resta achar o encaixe. No entanto, neste quebra-cabeças, Mano Menezes precisa de mais critério na hora de escolher as peças. Ah Brasil...será que ”que o teu futuro espelha essa grandeza”? Vestir a camisa amarelinha virou algo tão banal ultimamente...

Um pouco mais: É inevitável. As últimas atuações de Ronaldinho Gaúcho pelo Flamengo já resultam em campanha pelo retorno do craque à Seleção Brasileira. E renovar nem sempre significa inovar. Até porque, como temos visto nas últimas listas de Mano, muitas vezes renovar com o objetivo de inovar se confunde com inventar. Complicado? Um pouco, mas eu explico. O processo de renovação, ao qual o Brasil se propôs a fazer após o fiasco de 2010, não precisa necessariamente de nomes inéditos. E sim, dos nomes certos. O Paulo Henrique Ganso, por exemplo, tinha que ter sido convocado para a Copa de 2010, afinal vivia grande momento. Mas não pra Copa América! O camisa 10 do Santos voltava de contusão, estava longe da forma física ideal e era evidente que não daria conta de tamanha responsabilidade. Futebol é talento, momento e regularidade. Pode ser que Ronaldinho não esteja bem para jogar a Copa de 2014, não sabemos o dia de amanhã. Porém, de fato, tem maiores possibilidades que Jadson e Fernandinho. Se mantiver o nível, Ronaldinho Gaúcho terá de estar presente na próxima convocação...

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Nova Fase...

                        

Bem diferente daquela manhã de 21 de julho de 2010, a manhã de 8 de agosto de 2011 foi coberta por um clima de alívio. De missão cumprida. Se no ano passado o Friburguense se preparava para usar a Copa Rio como observatório à disputa da segunda divisão, desta vez sonha alto. Depois de retornar à elite carioca, o Frizão quer o Brasil! A base do acesso foi mantida, algumas alterações foram inevitáveis. Romulo foi para o Botafogo e o Zambi não vai mais te pegar. Deve sim, ir para Israel. Novos valores surgem das divisões de base e uma nova fase têm início no Friburguense. Acima, a entrevista que fiz com o gerente de futebol José Siqueira, o graaaande Siqueirinha, onde revela detalhes da preparação, amistosos e reforços. O Frizão voltou e não quer só ficar!

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

AtropeLOCO!

Impecável. Correto. Compacto. O Botafogo entrou em campo a 100 por hora. O Vasco, a 10. A LOCOmotiva alvinegra atropelou o trem bala da colina em jogo que, como disse Caio Junior, deve ser modelo para o Glorioso pro restante do Brasileirão. O Fogão venceu porque foi bem como um todo, taticamente perfeito. Tecnicamente inspirado. E acima de tudo competente ao aproveitar as oportunidades que teve para vencer o jogo. No entanto, cabem aqui alguns elogios individuais. O primeiro a ele: o oportunista, a referência, o artilheiro. O ídolo! Loco Abreu luta, pede a bola, marca, toca, corre. Contagia! E claro, como bom artilheiro que é, resolve. Outro que jogou demais foi o volante Renato. Bem na marcação, contribuiu com dois passes para gol e parece cada vez mais readaptado ao Brasil e ao Bota. Mas o grande destaque do jogo e da rodada, sem dúvidas, foi o lateral Cortês. Ele deve ter uns quatro pulmões, não é possível! Pelo lado esquerdo, de seus pés, as melhores jogadas ofensivas do Botafogo. O Vasco, por sua vez, não teve suas principais peças em noite feliz. Diego Souza foi muito mal e acabou expulso de maneira infantil, por excesso de reclamação. Eder Luis e Felipe foram peças nulas. Apenas Fernando Prass merece ser ressaltado, com pelo menos três defesas difíceis. Ah! O Jéfferson também, diga-se de passagem. Quando exigido, em momentos cruciais da partida, o goleiro da Seleção Brasileira fechou o gol. Venceu o clássico o mais competente. Cabem mais elogios ao Botafogo do que críticas ao Vasco. E a discussão agora gira em torno de onde o time da Estrela Solitária pode chegar no campeonato. Caso consiga ser mais regular, a Estrela pode brilhar entre os primeiros colocados...

Flamengo 1x0 Coritiba: o Brasileirão tem novo líder. Aquele mesmo, há 15 partidas invicto. Mesmo sem jogar bem, o Flamengo venceu o Coritiba por 1x0 e não vê mais ninguém à sua frente. E o gol? Aos 44 minutos do segundo tempo! Dele: Jael, o cruel! Que alias, entrou bem no jogo e já havia colocado uma bola na trave. Luxemburgo errou ao escalar Luiz Felipe, Willians e Renato no meio. E liberar justamente o Muralha para fazer a ligação defesa-ataque. Sem saída de bola, o rubro-negro ficou preso à marcação adiantada do Coritiba no primeiro tempo. Com Bottinelli na etapa final, ainda que o argentino não tenha ido tão bem, o Mengão melhorou no quesito e passou a criar mais. E foi dos pés de Ronaldinho Gaucho que saiu o cruzamento para Jael marcar o tento da vitória! No talento de RG10, no apagar das luzes, o Mengão lidera!

América-MG 3x0 Fluminense: Foi um dia daqueles em que nada dá certo! Sofrer uma derrota desse tipo pro lanterna do campeonato não tem lá muita explicação. Assim como o primeiro gol do América. Pareceu futebol de areia! O segundo aconteceu em pênalti inexiste. E a situação ficou difícil pro Fluminense que, sem inspiração, não ameaçou a vitória mineira em momento algum. Pelo contrário. Ainda desperdiçou um pênalti e levou o terceiro. Esse é o tricolor carioca versão 2011...sem Conca, sem Fred, sem Muricy, sem regularidade. Sem motivos para ter maiores esperanças...

Um pouco mais: um breve comentário...os campeonatos europeus estão reiniciando...o alemão começou e em breve, nas próximas semanas, teremos o inglês, italiano e o espanhol. Um prato cheio para apaixonados por futebol internacional como eu...

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Palpites da rodada...

Figueirense 1x2 Botafogo: Loco Abreu volta a balançar as redes e o Fogão emplaca a terceira vitória consecutiva

Corinthians 2x0 America-MG: Timão faz o dever de casa e mantém a ponta

Grêmio 1x1 Atlético-MG: No duelo entre os dois piores times grandes do torneio, cravo um empate

Ceará 2x1 Avaí: Em Fortaleza, melhor  pro Ceará sobre o fraco Avaí

Vasco 1x1 Santos: Bom jogo, equilibrado...vou apostar num empate! Neymar e Diego Souza marcam

Cruzeiro 1x0 Flamengo: Diante da Raposa de Papai Joel, cai a invencibilidade do Flamengo. Não me xinguem, é apenas um palpite

Coritiba 1x0 Palmeiras: Coxa derruba o Verdão de Felipão no Couto Pereira

São Paulo 1x0 Bahia: Num vai ser fácil não...mas o tricolor paulista leva a melhor sobre o baian

Fluminense 2x1 Internacional: O Flu ainda corre atrás da regularidade. Algo em falta também no Colorado. Vitória tricolor no Engenhão

Atlético-GO 0x0 Atlético-PR: Jogo fraco tecnicamente e empate sem gols

terça-feira, 2 de agosto de 2011

LOCO Foguete!

Que fim de semana para o futebol carioca! No caso do Botafogo, um sábado muito Loco e uma vitória, ao mesmo tempo que inesperada – verdade seja dita, excepcional. O Cruzeiro vinha embalado e crescendo no torneio (como ainda está) desde a chegada de Papai Joel Santana. O Glorioso, por sua vez, entrou em campo um pouquinho – só um pouquinho mesmo – aliviado depois da vitória sobre o Avaí. Caio Jr. está naquela do balança mas não cai. No entanto, o Fogão tinha uma carta na manga para caçar a Raposa: a loucura! O alvinegro fez uma partida muito correta, soube marcar os pontos fortes do Cruzeiro – leia-se Montillo e Wallyson – e teve nos pés de Loco Abreu o diferencial. Se alguém tinha alguma dúvida se El Loco faz falta ao Bota ou não, a resposta esta aí. Este, por exemplo, era um jogo típico de 0x0, truncado... só mesmo um lance inspirado para mexer no placar. E o Botafogo conseguiu, através de LOCO Foguete de fora da área, um resultado para acalmar os ânimos e manter Caio Jr. um pouco mais firme no comando do Fogão. E só mais um detalhe: essa cabeça-de-área com Marcelo Mattos e Renato vai dar o que falar! Depois me cobrem...

Flamengo 2x0 Grêmio: e o invicto Mengão tá chegando! Apenas um ponto separa o rubro-negro do líder Corinthians (que tem um jogo a menos é verdade, porém contra o Santos). E o Flamengo venceu o Grêmio graças ao que tem de melhor: a dupla Thiago Neves e Ronaldinho Gaúcho, autores dos gols da partida. Diante de um Grêmio inofensivo e inoperante, o Mengo construiu o placar com extrema facilidade, praticamente sem ter a vitória ameaçada. Mas o fato é que Ronaldinho jogou bem novamente! Um passe para Thiago Neves e um gol. Participativo e decisivo nos dois gols. Esse é o Ronaldinho que a torcida do Flamengo quer ver... e dentre outros motivos para a crescente de RG10, sem dúvidas, está o posicionamento. Sempre defendi aqui que gosto de ver o Gaúcho caindo pela ponta esquerda e trazendo a bola pro meio. O resultado está aí...

Fluminense 4x0 Ceará: dessa vez, o ataque funcionou! E os poucos torcedores que compareceram ao Engenhão puderam ver os primeiros gols de Fred e Souza no Brasileirão e de Rafael Sóbis com a camisa tricolor. Para fechar a conta, Rafael Moura. E o Flu, desfalcado de Diguinho e Deco, transformou a inoperância da primeira etapa em passeio no segundo tempo. E não vem com essa história de que com um jogador a mais as coisas ficam mais fáceis... nem sempre é assim! Apenas quando o time consegue se impor e colocar em prática a vantagem que tem. Foi o que o Fluzão de Abel Braga fez. O desafio, a partir de agora, é manter a tal da regularidade...

São Paulo 0x2 Vasco: segura o Trem-Bala! Uma vitória de gente grande no Morumbi. Não que seja algo absurdo ou impossível de acontecer. O Botafogo também ganhou lá. Além do mais, o tricolor paulista vai mal das pernas. Mas a questão é a forma como o Vasco venceu. Com autoridade, méritos. Ricardo Gomes arriscou ao deixar Felipe no banco e escalar Jumar para reforçar a marcação no meio-campo. Funcionou. O Vasco esteve seguro na defesa e foi letal nos contra-ataques. Executou com perfeição dois deles e saiu da capital paulista com os três pontos. E mais: com a esperança de brigar pelo pentacampeonato. Será que dá?

Um pouco mais: o Rio de Janeiro continua lindo... e os times cariocas nunca começaram tão bem o Brasileirão. A confirmação de que o acontecido nos últimos dois anos, quando Flamengo e Fluminense conquistaram o título mais importante do futebol nacional, não foi por acaso. Os clubes parecem, enfim, ter acordado para a nova realidade. Hoje, a principal promessa de campanha é investir em estrutura. E isso reflete no bom planejamento, na montagem de um elenco forte e na atração de jogadores a nível de Seleção – todos os quatro grandes têm em seus times jogadores que vestem ou já vestiram a camisa de seus países. Só não concordo com a espetacularização da boa fase carioca. Como assim? Não é surpresa que quatro dos maiores clubes do país briguem pelas primeiras posições. Pelo contrário. As coisas, ao que parece, estão voltando ao normal no Rio de Janeiro...